Polícia Civil prende em Parauapebas acusado de matar secretário de tributos de Água Azul do Norte

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A vítima, na época do crime, tinha 34 anos e era secretário de tributos da Prefeitura de Água Azul do Norte, também no sudeste do Pará. A prisão foi realizada por policiais civis de Água Azul do Norte e de Xinguara, vinculados à Superintendência da Região do Alto Xingu. A vítima foi morta a tiros, em 8 de março de 2014, quando caminhava por uma rua da cidade. Dois homens em uma moto foram os autores dos disparos. Durante as investigações, os acusados foram identificados. Um deles é Alexsandro Moreira da Silva que está foragido.

O outro foi identificado como Wender que, apesar do mesmo sobrenome, não tem vínculo familiar com a vítima. De acordo com o delegado Max Muller, titular da Delegacia de Água Azul do Norte, o outro envolvido no crime está sendo procurado. As investigações que resultaram na identificação de Wender contaram com policiais civis do Núcleo de Apoio à Investigação do Sul do Pará e da Superintendência de Policia Civil do Araguaia Paraense, comandados pelo delegado Antônio Miranda Neto. Segundo Antonio Neto, as investigações continuam para definir a motivação do crime. Em 4 de agosto de 2014, Wender, que estava preso na época por roubo em Redenção, foi interrogado como suspeito de envolvimento no crime, mas negou as acusações.


Com o tempo, ele saiu da prisão. No ano passado, ele e Alexsandro foram denunciados pelo Ministério Público do Pará. Na época, em despacho publicado no portal do Tribunal de Justiça do Estado, a Justiça se manifestou sobre as decretações das prisões dos acusados do crime. “Constato que os réus estão com ordem de mandado de prisão temporária expedida e até o momento não houve seu cumprimento, uma vez que não foram encontrados. À evidência dos autos, vislumbra-se que os acusados, participaram do crime que vitimou Advilson Rodrigues de Souza, na cidade de Água Azul do Norte, desferindo-lhe vários tiros”, destaca.

O despacho judicial ressalta ainda que “é de se considerar que as circunstâncias do fato, por si só, já revelam a periculosidade dos denunciados. O que demonstra que os mesmos não são bem vindos ao convívio social na comunidade onde viviam”. Após ser localizado e preso, em Parauapebas, Wender foi transferido para Xinguara, de onde será conduzido para o presídio em Marabá, para responder pelo crime na Justiça.

Publicidade

veja também