Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Polícia Civil prende suposto pai-de-santo por estuprar adolescente de 14 anos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Policiais civis da Delegacia Especializada no Atendimento à Criança e Adolescente (Deaca) prenderam, nesta sexta-feira (18), em Santarém, oeste paraense, por mandado de prisão preventiva, Marcelino Ferreira Almeida, 43 anos, suposto pai-de-santo, acusado dos crimes de violação sexual mediante fraude, importunação sexual e curandeirismo. Ele é acusado de se utilizar da sua posição religiosa para praticar atos libidinosos com uma adolescente de 14 anos de idade. A ordem de prisão foi expedida pelo juiz de Direito, Rômulo Nogueira, da 2ª Vara Criminal de Santarém, a partir das provas levantadas no inquérito policial instaurado para apurar o crime sexual.

As investigações mostraram que, ao praticar rituais religiosos, o acusado pediu para ficar a só com a adolescente. Dessa forma, ele teria mandado que a menor retirasse a roupa e assim praticado os atos sexuais. O fato criminoso foi denunciado à Delegacia, pela mãe da menor, no último dia 4. Moradora da Comunidade de São Jorge, às margens da Rodovia Curuá-Una, em Santarém, a mãe acusou o suposto pai-de-santo de abusar sexualmente sua filha de 14 anos.


Segundo ela, Marcelino inicialmente assediou a adolescente, afirmando que ela precisava de um tratamento espiritual com alegação de estar incorporado pela entidade espiritual Mãe Mariana. Com isso, ele teria beijado a menor e tocado as partes íntimas da vítima. “Ele pedia para ela tirar a roupa, e ela retrucava. Então, ele dizia que não era para ela se preocupar, pois no local tinha apenas mulheres, dizendo que era a Mãe Mariana”, relatou a mãe da vítima.

Ainda de acordo com a genitora, o acusado confessou os acontecimentos e solicitou que a família entregasse a menina para ele. Em interrogatório na Delegacia, Marcelino negou ter estuprado a adolescente. Ele alegou que, no dia em que esteve com a menor, apenas fez diagnósticos de doenças e receitou medicamentos à vítima. O acusado alegou não se recordar de ter praticado qualquer ato sexual com a adolescente, pois, na ocasião, estaria incorporado pelas entidades espirituais. Ele vai permanecer preso à disposição da Justiça.

Publicidade

Veja
Também