Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Polícia de Parauapebas prende homem que confessou atuar como hacker

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

“O combate à criminalidade não está apenas nas investigações ou flagrantes, mas também nas abordagens e inteligência”. Método de trabalho da Polícia Militar no 23º BPM sob o comando do Tenente Coronel Vallinoto.
Realidade comprovada quando uma guarnição avistou, na VS-10, um cidadão, depois identificado como sendo Ronaldo Adriano Leal da Silva, de 23 anos de idade.

O acusado trafegava naquela via dirigindo um carro Jeep Renegade e ao ser abordado e perguntado a procedência do veículo, não soube informar a situação, dizendo que fez a locação do carro em Marabá, porém, não soube informar a pessoa de quem locou o veículo.


Diante da evidente atitude suspeita do jovem condutor, e já com o apoio do Grupo Tático Operacional (GTO), a polícia foi até a casa em endereço dado por ele, onde foi encontrado uma CPU, um monitor e dois teclados.

De acordo com a polícia, Ronaldo confessou que faz transações bancárias online, hackeando várias contas. Diante da confissão, computador e acusado foram apresentados na 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil de Parauapebas para procedimentos.

A confissão já enquadra Ronaldo Adriano como infrator da Lei nº 12.737, de 30 de novembro de 2012, que entrou em pleno vigor no dia 3 de abril de 2013, alterando o Código Penal para tipificar os crimes cibernéticos propriamente ditos (invasão de dispositivo telemático e ataque de denegação de serviço telemático ou de informação), ou seja, aqueles voltados contra dispositivos ou sistemas de informação e não os crimes comuns praticados por meio do computador.

 

Agora, as investigações são feitas para descobrir se Ronaldo Adriano da Silva é ligado a alguma organização criminosa, além de saber se fez vítimas nesta região. Outra linha de investigação é se Adriano confessou crime cibernético apenas para desviar a atenção da polícia e ocultar ações em outras modalidades criminosas.

Reportagem: Francesco Costa / Da Redação do Portal Pebinha de Açúcar

Publicidade

Veja
Também