Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Polícia Militar combate a onda de assaltos em Parauapebas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A ação foi planejada pelo comandante da ZPOL, Capitão PM Júlio, que detalha o modelo da ação executada por homens do Grupo de Ações Táticas da corporação e viaturas rondantes nas áreas das ocorrências como, por exemplo, Cidade Jardim, Nova Carajás e os Bairros que compõem o Complexo Altamira.


“Dispus de oito viaturas e dei a missão ao tático para comandar as buscas”, conta Júlio, detalhando que destacou policiais com uniformes da Vale para atrair os meliantes, o que resultou, ainda segundo ele, na prisão de dois elementos.

O restante da quadrilha, conforme narrado pelo comandante, continuou atuando e na noite de ontem com o cerco fechado pela operação realizada pelas oito viaturas que intensificaram as buscas e ao se deparar com a guarnição reagiu a tiros. Porém da quadrilha apenas um conseguiu fugir, dois levou a pior perdendo a vida, mortos a bala, e um mesmo baleado conseguiu empreender fuga.

“A quadrilha agia em duplas fazendo uso de duas motos, e minutos antes de serem surpreendidos havia acabado de fazer uma vítima que esperava o ônibus”, lembra Júlio, contando que de agora em diante as operações na madrugada continuarão combatendo e prevenindo para que isto não se repita.

Outras incidências – Capitão Júlio lembra que houve uma onda de assaltos em estabelecimentos comerciais, mas graças a ação da PM o número praticamente zerou; o que, também em sua opinião, empurrou os praticantes deste tipo de delitos a concentrar suas ações em Bairros mais periféricos como, por exemplo, Cidade Jardim, Nova Carajás e os Bairros que compõem o Complexo Altamira.

Quanto à rondas feitas por viaturas, o comandante da ZPOL dá conta de que agora é oito o número de viaturas disponíveis para o policiamento ostensivo se dividindo em Bairros que apresentam alto número de ocorrência principalmente de furtos e assaltos.

Um agravante para a segurança pública apontado por Júlio é o baixo número de homens em seu efetivo; apenas 25 policiais por turno são disponibilizados para fazer a segurança de 250 mil habitantes, o que trocando em miúdos dá 25 mil por pessoas por militar de serviço.

“200 é o número de policias disponíveis neste quartel, mas administrativamente disponho de 25 por turno. O que eles fazem os tornam dignos de serem qualificados como heróis”, conclui Júlio, demonstrando ansiar pela formação dos mais de 100 soldados que deverá, em sua previsão, até o final deste ano.

(Francesco Costa)

Publicidade

Veja
Também