Prata da Casa: Agricultores de Canaã fornecem produção de banana para refeitórios da Vale

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Estar com a documentação em dia, buscar qualidade na produção e ter controle administrativo-financeiro. Tudo isso pode ter reflexo nas oportunidades ofertadas no mercado, para garantia de participação e até mesmo para que uma associação vença cotações e concorrências. Foi o que aconteceu com a Cooperativa Agroecológica da Agricultura Familiar de Canaã dos Carajás, a Cooafac, que conta hoje com 48 produtores locais.

Eles participaram pela primeira vez e venceram concorrência aberta por empresa, que gerencia o serviço de alimentação diária de cerca de 6 mil empregados que atuam na unidade e expansão do S11D operada pela Vale no município de Canaã. A Cooperativa irá fornecer 6 mil quilos de banana prata, que começaram a ser servidas nos refeitórios, o que deve se estender até março.


Ao falar sobre a conquista, a presidente da Cooperativa, Selma Santos se emocionou. “Eu me emociono, o sentimento é de muita gratidão. Quando começamos esse processo, muitos também diziam que isso não ia dar certo. E quando conseguimos a aprovação, foi vibração, foi felicidade e renovação de esperança.”, diz Selma emocionada.

Qualidade – Para fornecer, a Cooperativa se adequou às exigências, regularizou a entidade para cadastro e participou de cotação com outros fornecedores. “Nós tivemos a preocupação e nos empenhamos em ter todos os documentos exigidos no checklist e também com a questão da produção da banana, com a quantidade e a qualidade produzida. Agora é grande a responsabilidade, mas buscaremos acesso ao mercado privado e público. Não vamos depender de um cliente só, vamos desenvolver nossa agricultura com mais dignidade”, diz Selma.

A prática, segundo o gerente de desenvolvimento Territorial da Vale, Frederico Baião,  contribui para o desenvolvimento da região. “Este fornecimento mostra o potencial dos produtores de se organizarem investirem em capacitação, buscarem alcançar autonomia, capacidade de entrega e gestão em seus empreendimentos, ao mesmo tempo, em que  fortalecem outra cadeia produtiva estratégica, que é a agricultura familiar, a inclusão de forma produtiva e o aumento da geração de renda no meio rural”, diz Frederico.

veja também