Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Prefeitura de Curionópolis intensifica combate à Leishmaniose e começa a resgatar animais abandonados

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Desde o ano passado a Prefeitura de Curionópolis, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), desenvolve ações de combate à Leihsmaniose, doença que alcançou diversos municípios da região sudeste do Pará e levou a óbito principalmente crianças, por serem mais vulneráveis.
Os Agentes de Controle de Endemias (ACE’s) do município participaram de capacitações com a Secretaria de Saúde Pública do Estado do Pará (SESPA) em 2017 e realizam visitas sistematizadas e periódicas nas residências, tanto da zona urbana quanto da rural, para explicar a comunidade como ocorre a doença, assim como para orientar sobre prevenção e tratamento.
O Executivo também enviou à Câmara Municipal de Vereadores de Curionópolis o projeto de Lei 1.140, de 26 de abril de 2018, que regulamenta a apreensão de animais soltos nas vias e logradouros públicos da zona urbana. A lei aprovada pelos legisladores e já está em vigor.
“Os animais que forem identificados soltos no patrimônio público ficarão na guarda do abrigo, serão alimentados com ração de primeira qualidade e o veterinário vai dar atendimento a esses animais. A medida é o cumprimento da lei e tem o objetivo de trazer prevenir possíveis casos da doença e garantir o bem estar da comunidade do município” disse o secretário de Meio Ambiente Adalto Santos.
O abrigo está localizado na Zona Rural de Curionópolis e terá uma importante função no combate e controle de zoonoses como fator de prevenção de doenças que podem ser transmitidas por animais e vetores à comunidade, como é o caso da Leishmaniose Visceral, conhecida também como Calazar.
Em cumprimento da Lei aprovada, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SEMMA) desde quarta-feira (30), passou a recolher animais soltos nos espaços públicos do munícipio e encaminhá-los ao abrigo municipal. Os animais que forem resgatados passarão pelo médico veterinário e por exames de triagem para detecção de Leishmaniose. Os animais com casos positivos passarão por um segundo exame, que será realizado pelo Laboratório Central do Pará (Lacen), em Belém, se for atestada a Leishmaniose, será feita eutanásia no animal.
Todos os animais que não apresentarem vetores, serão acolhidos e receberão os cuidados necessários como banhos, tosas e alimentação de qualidade. Os animais que forem recolhidos no abrigo, poderão ser retirados do local mediante comprovação de posse e os donos estarão sujeitos a pagamento de multa.
A secretária de Saúde, Kelma Oliveira, apresentou recentemente um relatório com todas as ações desenvolvidas pela pasta no combate à Leishmaniose, entre elas o controle químico, feito pelos ACE’s, em áreas de grande incidência do mosquito palha, transmissor da doença. A gestora da pasta reforçou também que o município disponibiliza gratuitamente o tratamento para Leihsmaniose aos humanos.
A Semma disponibilizou uma equipe para apreender todos os animais que forem encontrados soltos nas ruas. A comunidade também pode solicitar o recolhimento de animais suspeitos e abandonados, basta realizar denúncia na própria secretaria localizada na Rua Sergipe número 47 no bairro da Paz.

Publicidade

Veja
Também