Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Presença de Ministro marca 19 anos do “Massacre de Eldorado do Carajás”

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Durante todo o dia 17, sexta-feira, diversas ações na Curva do S, em Eldorado do Carajás, lembraram os 19 anos do confronto entre o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e policiais militares, que deixou 19 militantes do movimento mortos.
O episódio ficou conhecido como “Massacre de Eldorado do Carajás” e teve ampla repercussão dentro e fora do País.

No ato realizado à tarde, esteve presente o Ministro do Desenvolvimento Agrário, Patrus Ananias; a presidente do Incra, Maria Lúcia Falcón; deputados federais e estaduais; prefeitos e representantes de entidades, além e organizações que acompanham a luta pela reforma agrária, como a Comissão Pastoral da Terra.


Esta foi a primeira vez que um ministro compareceu ao evento, que se repete todo ano. No discurso que fez em Eldorado, Patrus Ananias classificou as vítimas como mártires na luta pela reforma agrária. Um grupo de jovens pertencentes ao Movimento Sem Terra encenou uma peça ao ar livre relatando o confronto dos assentados com os policiais militares do Estado.
“Viemos aqui hoje prestar uma homenagem aos 19 mártires que tombaram, vítimas da violência, da brutalidade na luta pela reforma agrária. Viemos também reafirmar nosso compromisso com a vida. Estamos empenhados, no governo federal, em promover a paz no campo. E a paz se constrói com justiça”, disse o ministro.

Ele garantiu que o governo assume o compromisso de nos próximos quatro anos assentar todas as famílias que hoje estão em acampamentos na região e fazer dos assentamentos espaços produtivos. “Vamos estimular a produção, assim como levar aos assentamentos outras políticas públicas na área da educação e saúde, que possibilite a presença de crianças e jovens nesses espaços”, garantiu.

O ministro reforçou o compromisso de dar celeridade aos processos de desocupação das áreas que forem consideradas improdutivas, para fazer os projetos de assentamentos e torna-las produtivas. “Precisamos ampliar nossa produção agrícola e aumentar a geração de emprego e renda no campo”.

O ministro lembrou ainda que no ano passado, o País teve uma conquista considerada histórica, que foi sua saída do mapa da fome pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO). “Para continuarmos com nossa conquista, precisamos aumentar a produção agrícola e a agricultura familiar tem um papel importante nesse processo, porque produz alimentos para consumo local”, destaca.

O coordenador do MST, Francisco Moura, agradeceu a presença de Patrus Ananias. “Pela primeira vez um ministro de Estado está presente em nosso ato. Aqui não comemoramos, mas recordamos a importância da luta pela terra. Viemos aqui para impulsionar a luta pela reforma agrária, neste que é o Dia Internacional da Luta pela Terra”, declarou Moura, deixando claro que o movimento vai cobrar o cumprimento de tudo o que o ministro se comprometeu em fazer em nome do governo.

Na ocasião, Patrus assinou portaria criando o assentamento Estiva, onde serão assentadas 65 famílias. Esse local ficou conhecido porque ali ocorreu o assassinato de uma família de agricultores no dia 17 de fevereiro deste ano em Conceição do Araguaia.

Reportagem: Francesco Costa – Da Redação do Portal Pebinha de Açúcar
Fotos: Antônio Cícero

Publicidade

Veja
Também