Preso em flagrante por estupro de vulnerável e manter “união estável” com adolescente de 12 anos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Delegada Ana Carolina – Responsável pelo caso

Lázaro de Oliveira Borges foi descoberto no ato em que deu entrada no Hospital Geral de Parauapebas (HGP) com sua companheira, uma adolescente de apenas 12 anos de idade. O motivo da procura daquela unidade de saúde foi um aborto espontâneo que acometeu a adolescente, grávida de três meses.

De acordo com informações colhidas na Delegacia Especializada no Atendimento da Mulher de Parauapebas (DEAM), a garota vivia a relação estável com Lázaro, com o consentimento dos pais, desde os 10 anos de idade, quando ele, agora com 20 anos, tinha 18 anos de idade. “Isso é inadmissível. Como pode uma criança vivendo uma união estável”, afirmou a delegada titular da DEAM, Ana Carolina, dando por certo que ele será enquadrado no artigo 217 A do Código Penal Brasileiro, pelo crime de estupro de vulnerável.


De acordo com detalhes dados pela delegada, a Polícia chegou ao caso graças a denúncia de funcionários do HGP, dando conta de que uma adolescente havia dado entrada com aparente aborto acompanhada de um homem que se apresentava como sendo marido da mesma; assim, a equipe diligenciou ao local e confirmado o fato, deu voz de prisão à Lázaro, que será encaminhado para a Justiça para que decida se mantém a prisão em flagrante, converte em prisão preventiva ou concede a liberdade a ele.

Lázaro (camisa amarela) acompanhado de seu advogado

 

De acordo com Thiago Aguiar, advogado do acusado, a princípio entende que deve ser feito um inquérito, já que os pais da menor tinham conhecimento do relacionamento. O advogado diz, ainda, ser normal que as pessoas na zona rural iniciam relacionamentos precoces, porém, irá analisar com cautela o caso, para fazer as petições necessárias e que Lázaro possa responder o processo em liberdade. “A defesa entende que a ciência dos pais precisa ser melhor apurada e levada em conta”, conclui o advogado.

Publicidade

veja também