Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Procurador-geral do Pará vai integrar rede nacional de combate à corrupção

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O procurador-geral Gilberto Martins foi eleito por unanimidade para representar o CNPG no ENCCLA
 Por votação unânime, os integrantes do CNPG (Conselho Nacional de Procuradores-Gerais do Ministério Público dos Estados e União) decidiram, nesta quinta-feira (25), indicar o procurador-geral de justiça do Pará, Gilberto Valente Martins, como representante do órgão na ENCCLA (Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro), importante instituição que atua na articulação e apoio à formulação de políticas públicas voltadas ao combate aos crimes de corrupção.
Como representante do CNPG na ENCCLA, Gilberto Valente Martins será responsável pelo acompanhamento da proposta de resolução do CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público) sobre as diretrizes para orientações sobre a atuação da Corregedoria Nacional e das Corregedorias das unidades do Ministério Público para realização de quebra de sigilos gerais, como fiscal, bancário, telefônico e telemático.
A indicação de representante para compor a ENCCLA foi um dos itens da pauta da reunião ordinária do CNPG realizada nesta quinta-feira, em Brasília. Procuradores-gerais de justiça de diferentes estados, membros do CNMP e de outras entidades ligadas ao Ministério Público participaram do encontro.
Membros do CNPG reunidos em Brasília
SOBRE A ENCCLA
Criada em 2003, a ENCCLA é a principal rede de articulação para o arranjo e discussões em conjunto com uma diversidade de órgãos dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário das esferas federal e estadual e, em alguns casos, municipal, bem como do Ministério Público de diferentes esferas, e para a formulação de políticas públicas voltadas ao combate àqueles crimes.
Um dos resultados da ENCCLA foi a criação do Laboratório de Tecnologia contra a Lavagem de Dinheiro e replicação do modelo nas unidades da federação com a formação de uma rede integrada de tecnologia, voltada para o enfrentamento à corrupção e à lavagem de dinheiro, que otimizou as investigações e ações penais, simplificando a análise de dados de grande volume.

Publicidade

Veja
Também