Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Projeto de Derrocamento do Pedral do Lourenço entra em nova fase

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Fase de teste deve acontecer no primeiro semestre

O ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, teve ontem (26/3) reunião com João Acácio, presidente da DTA, empresa que está tocando as obras de derrocamento do Pedral do Lourenço. O executivo informou que, no último dia 20, protocolou junto ao Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) solicitação de autorização para realização de pré-teste no projeto de dragagem e derrocamento de via navegável do Rio Tocantins (PA).


João Acácio explicou ao ministro que essa fase é importante para definir procedimentos técnicos para a retirada das pedras do meio da hidrovia.”Estamos planejando realizar essa fase de testes ainda neste primeiro semestre. E as obras efetivamente devem começar até o final do segundo semestre deste ano”.

Os testes irão permitir à DTA estudar como as rochas que formam o Pedral se comportarão quando submetidas a explosivos. Isso será fundamental para definir o plano de detonação e remoção das rochas.

As verificações deverão ser realizados no leito do Rio Tocantins, nas proximidades da cidade de Itupiranga. Serão explosões controladas, precedidas de medidas de segurança que visam a preservar a fauna do local. “Vamos emitir sinais sonoros, que servirão para espantar os animais da região.”, explica João Acácio. Segundo o executivo, a mais moderna tecnologia disponível no mundo será utilizada para fazer os testes.

“Essa obra vai aumentar a competitividade logística dos portos da Região Norte ao permitir que nosso rio Tocantins possa ter navegabilidade durante todo o ano. Isso trará uma repercussão absolutamente extraordinária para a região Norte. Hoje, tivemos a oportunidade de debater e, acima de tudo, encontrar formas de garantir que as etapas possam ser cumpridas o mais rápido possível”, afirmou o ministro Helder Barbalho.

A obra

O derrocamento do Pedral do Lourenço consiste em desgastar as formações rochosas que impedem a navegação de embarcações com cargas durante os meses de setembro a novembro, período em que o rio fica mais raso. O edital para a escolha da empresa responsável pela obra foi lançado em março de 2014. A DTA Engenharia LTDA foi a vencedora, com a proposta de R$ 520,6 milhões, o que representou economia de R$ 40 milhões ao governo federal, reduzindo em 7,15% a previsão para a execução da obra.

O deslocamento hidroviário, além de representar redução de custos para os produtores, é uma modalidade de transporte sustentável, menos poluente. Um comboio de 150 metros com capacidade de seis mil toneladas equivale a 172 carretas de 35 toneladas.

Com mais uma via regular para escoar a safra, o derrocamento do Pedral do Lourenço beneficiará projetos financiados pelo Ministério da Integração, por meio dos Fundos de Desenvolvimento da Amazônia (FDA), do Nordeste (FDNE) e do Centro-Oeste (FDCO), importantes instrumentos de promoção do investimento regional no Brasil. Essas ações são desenvolvidas nas áreas de atuação das Superintendências do Desenvolvimento da Amazônia (Sudam), do Nordeste (Sudene) e do Centro-Oeste (Sudeco). No caso do Pará, as obras do derrocamento vão ajudar a consolidar o Arco Norte como o novo modal de exportação da safra agrícola da região Centro-Oeste.

Publicidade

Veja
Também