Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Projeto Quelônios em Piçarra planeja soltar quase 7 mil tartarugas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O projeto Quelônios, objetiva preservar espécies de tartarugas e tracajás. Desde 2013, com a intensificação do projeto e a assinatura do termo de convênio com Canaã, a quantidade de quelônios devolvida ao rio tem aumentado bastante.

Devido a ação predatória do homem e também em razão de alguns animais se alimentarem do ovo desses quelônios, apenas cerca de 300 filhotes voltavam para o rio. Com o projeto, até agora quase 12 mil animais já foram entregues à natureza para repovoarem o rio. Só este ano, cerca de 7 mil tartarugas serão devolvidas. O evento municipal de soltura dos quelônios, cujos ovos foram coletados no ano passado, será no dia 19 de setembro a partir das 8h, com uma vasta programação cultural, envolvendo as escolas municipais de Piçarra e de Canaã dos Carajás, além da comunidade.


Contudo, não basta só devolver, é o que explica o ambientalista César Peres, que tem coordenado o projeto ao lado do secretário de Meio Ambiente e Turismo, Nivaldo Venâncio. “É preciso desenvolver diversas outras atividades para dar conta de um problema tão comum nesses rios, a baixa no quantitativo de tartarugas e tracajás, levando-as ao nível de espécies em extinção”, conta César.

Segundo Nivaldo Venâncio o município tem realizado ações de apoio ao projeto, como educação ambiental nas escolas, conscientização junto à população ribeirinha, para que não tire do rio as matrizes, nem exemplares muito pequenos de tartarugas ou tracajás, assim como o manejo dos animais. “Atualmente estamos na etapa de coleta dos ovos, em alguns casos fazemos a remoção dos ninhos para uma área segura, em outros casos, isolamos a área onde estão localizados e acompanhamos até a eclosão”, explicou Nivaldo.

Quando os ovos eclodem, os filhotes de tartarugas e tracajás são transferidos para um tangue, onde serão alimentados e bem cuidados até que atinjam o estágio ideal para a soltura, quando eles poderão se defender mais facilmente dos predadores.

Publicidade

Veja
Também