Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Regulações tributárias, trabalhistas e previdenciárias são os temas que mais impactam as empresas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Entre os ramos de atuação que participaram da pesquisa, destaram-se o bancário e serviços financeiros, produtos manufaturados, construção, infraestrutura, agronegócio e óleo e gás. Normas contábeis e societárias (15%), regulações ambientais (12%) e a lei anticorrupção (11%) são os outros itens citados. Na opinião dos respondentes, estes mesmos temas continuarão interferindo os negócios nos próximos 24 meses.

“De modo geral, as demandas regulatórias advindas das exigências das diversas esferas governamentais, dos órgãos reguladores e do compliance em relação às leis estão exigindo das empresas uma elevação no seu grau de maturidade e alinhamento com as boas práticas de governança, principalmente em relação aos pilares de transparência e responsabilidade corporativa”, aponta o sócio da KPMG responsável pela pesquisa, Sandro Silva.


Já com relação ao cumprimento das demandas regulatórias, a pesquisa apontou a dificuldade na identificação, avaliação e monitoramento dos temas regulatórios aplicáveis ao negócio (32%) e a falta de clareza das exigências regulatórias (22%) como as maiores barreiras que as empresas encontram.

Outras constatações da pesquisa:

· As ações para endereçar os desafios regulatórios estão relacionadas, principalmente, à estruturação de áreas de compliance e gestão de riscos, implementação de um processo de canal de denúncias ou linha ética e à adoção de um código de ética;

· Os respondentes citaram que a cultura corporativa, a ausência de recursos financeiros e estrutura adequada, e a falta de profissionais capacitados são as maiores barreiras para o atendimento das ações adotadas pelas suas empresas para se adequar às regulações;

· Quanto ao nível de investimento no atendimento das ações tomadas para as adequações regulatórias, aproximadamente 75% dos respondentes apontaram que, atualmente, investem até R$ 500 mil; para os próximos 24 meses, 80% dos respondentes citaram investimentos de até de R$ 1 milhão.

Publicidade

Veja
Também