Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Reunião define ajustes para a vinda da Força Nacional ao Pará

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O coordenador do Núcleo de Planejamento Operacional (NPO) da Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social do Pará (Segup), tenente coronel Alexandre Mascarenhas, esteve reunido nesta sexta-feira (15) com o coordenador de Operações da Força Nacional, tenente coronel Wilson Melo e seus auxiliares. O objetivo foi finalizar o planejamento estratégico que trará os agentes da Força Nacional para o Estado. A reunião foi realizada na sede do Ministério da Justiça, em Brasília.

Os integrantes da FN atuarão em três diferentes formas no Pará. Por meio da polícia ostensiva, judiciária, para reforçar a equipe de policiais civis, como escrivães e delegados; e como peritos criminais, para somar ao trabalho desenvolvido pelos peritos do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves.


Ainda nesta sexta, o setor de planejamento de operações da FN estará enviando ao Ministério da Justiça e Segurança Pública a minuta de portaria ministerial autorizando a mobilização da Força para o Estado. Será encaminhado ainda a nota técnica sobre como se dará a atuação dos integrantes no Pará. Após a assinatura do ministro Sérgio Moro, titular da pasta, a minuta e a nota técnica retornam à Força Nacional para que seja finalizado o plano de emprego do órgão.

Na próxima semana, estima-se que o planejamento final e o efetivo que será deslocado, bem como o número de viaturas que serão deslocadas, sejam anunciados. A previsão é que na primeira quinzena do mês de março a tropa já esteja atuando, a princípio na capital e municípios da Região Metropolitana de Belém.

Coordenador do NPO e representante do Estado, o tenente coronel Mascarenhas destacou a disposição dos órgãos federais em disponibilizar o efetivo para potencializar as ações de reforço de segurança no Pará. “O processo todo está sendo conduzido normalmente. Tivemos a indicação de que tudo que colocamos e a forma que acreditamos ser a melhor para a atuação da tropa sejam atendidas”, finalizou.

Publicidade

Veja
Também