Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Revezamento de acompanhantes passa a ser proibido na maternidade do Hospital Geral de Parauapebas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Hospital Geral de Parauapebas (HGP)

Reclamações vindas do Hospital Geral de Parauapebas (HGP), através de familiares de pacientes dão conta de que não é permitido fazer rodízio de acompanhantes. A situação se dá no caso de internação por vários dias e, comumente, familiares revezam no quarto para assistir o tratamento do parente, fazendo assim que todos possam conciliar outros compromissos como, por exemplo, o trabalho ou afazeres domésticos, com o tratamento do ente.

De acordo com as pessoas que precisam fazer o revezamento, a situação fica difícil por não ser disponibilizado cama para o acompanhante, assim, estes ficam sentado durante o período do tratamento do familiar, o que é humanamente insuportável. Segundo observação feita por um familiar de uma pessoa internada no HGP, assim como os profissionais de saúde a saber: médicos, enfermeiros, auxiliares de enfermagem, administradores e outros atendentes, vão para suas casas após a conclusão do turno de trabalho e depois retornam para o hospital, tendo a mesma possibilidade de levar ou trazer contaminação, os acompanhantes de internos não deveriam ser proibidos de fazer o revezamento.


 

Procurada para esclarecer o caso, a Secretaria Municipal de Saúde Parauapebas (Semsa), através de sua Assessoria de Comunicação, emitiu nota esclarecendo que, por medida de segurança, as parturientes têm direito somente à um acompanhante durante o período em que permanecem na maternidade do Hospital Geral de Parauapebas (HGP), cuja medida é para evitar contaminação de mães e bebês com o novo coronavírus e atende às recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS).

A administração do Hospital Geral de Parauapebas destaca que, em média, uma mulher fica dois dias e meio na maternidade antes de ter alta, e que a rotina de troca de acompanhantes de pacientes nos outros setores do HGP permanece.

Na nota, a Semsa informou também que está em processo de aquisição de cadeiras para uso exclusivo de acompanhantes dos pacientes.

Publicidade

Veja
Também