Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Rio Parauapebas registra nível mais baixo da história e prejudica abastecimento de água

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Parauapebas vem enfrentando uma das piores estiagens dos últimos anos. Não chove no município há várias semanas e o nível do Rio Parauapebas, que abastece a cidade, está marcando 4,71 metros, índice mais baixo já registrado.

Em 2014, na mesma época, a régua marcava 4,90 metros. A seca já se reflete no abastecimento dos bairros Tropical I, Tropical II e Ipiranga, que possui um reservatório próprio.


Segundo o diretor Operacional do Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Parauapebas (Saaep), César Machado, a barragem, construída pela empresa loteadora do complexo há cerca de um ano e meio, deveria abastecer os três bairros. “Ela possui capacidade para manter aproximadamente 9 milhões de litros de água e já chegou a transbordar, mas no momento está praticamente vazia”, afirma.

Além disso, o desperdício e a falta de racionamento dos moradores aceleraram a insuficiência de água no local. De acordo com César Machado, o consumo de água em Parauapebas é superior a 220 litros de água por pessoa que o órgão fornece diariamente, enquanto a média mundial é 120 litros de água.

Como forma de garantir o fornecimento, o Saaep disponibilizou 12 caminhões pipa e espera contar com o apoio de outros 10 em breve. Eles irão abastecer a caixa d´água do complexo Tropical com água vinda do reservatório do Bairro Betânia. Para evitar que a situação se repita no futuro, a Prefeitura preparou um projeto de captação de água diretamente do Rio Parauapebas, a cerca de 3,2 quilômetros do complexo.

O Saaep também está interligando dois poços artesianos do Bairro Vale do Sol para a rede do Ipiranga, com isso, totalizará 40 m3 de água que ajudará no abastecimento dos bairros. A Prefeitura de Parauapebas pede compreensão de todos e solicita aos cidadãos de Parauapebas o uso racional de água no município. Dessa forma, a autarquia acredita que situações como a dos moradores do Tropical I e II e Ipiranga não irão se repetir em outros bairros.

Publicidade

Veja
Também