Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Secretaria de Urbanismo espera resposta da Justiça para dar continuidade na decoração natalina

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Foto: Déo Martins

Um assunto que virou polêmica e ganhou as redes sociais, tendo como desfecho a intervenção judicial que suspendeu a execução dos serviços.

Trata-se da decoração natalina, feita tradicionalmente em diversas ruas de Parauapebas, que este ano, acaba de ser paralisada por determinação judicial, deixando a população na expectativa se os serviços continuarão a ser executados ou se terão apenas a pequena parte implantada.


Quem falou com a equipe de reportagens do Portal Pebinha de Açúcar foi o secretário municipal de Serviços Urbanos, Edmar Lima, informando que a notificação foi entregue na segunda-feira (3).

A ação foi movida por um cidadão que questiona, além dos valores, R$ 1.265.000,00 (um milhão e duzentos e sessenta e cinco mil reais), o reaproveitamento de materiais utilizados no mesmo serviço no ano anterior.

“Não tivemos outra escolha a não ser obedecer à ordem da justiça. Assim, paralisamos o serviço e juntamos documentos com os respectivos relatórios que dão legitimidade ao processo que foram protocolados na tarde de quarta-feira, para buscar juntos às instâncias superiores e retomar os serviços”, contou Edmar Lima, dando por impossível fazer alterações no valor licitado, já que tudo está dentro da legalidade, dando por certas duas opções: fazer ou parar em definitivo os serviços.

De acordo com o secretário, o certame transcorreu dentro do exigido, tendo apenas duas empresas se apresentado de forma apta a concorrer e apenas uma fez proposta dentro do limite proposto pela Prefeitura de Parauapebas, através da Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (Semurb), o que exime o governo de qualquer culpa ou suspeita.

Conforme avaliação da Semurb, mais de 50% dos serviços da decoração natalina já foram executados, porém, nenhuma medição havia sido feita para que se efetuasse pagamento; e a empresa, diante da determinação judicial ou até que reverta a decisão, ficou inapta a receber pelo que já foi executado. Além do prejuízo para a empresa, cerca de 100 trabalhadores perderam seus postos de trabalhos temporários.

“A decoração, com certeza, foi aprovada pela população, que já comparece aos locais onde o serviço foi executado para tirar fotos e postar em suas redes sociais. Esta também ficará no prejuízo, caso os serviços não sejam retomados com urgência, pois o Natal não muda de data, acontecendo impreterivelmente no dia 25 de dezembro”, preocupa-se Edmar, dizendo que não desobedecerá a ordem da justiça, de quem espera breve retorno positivo para que a decoração seja concluída dentro do prazo.

Publicidade

Veja
Também