Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Semas participa do I Seminário Estadual sobre população em situação de rua

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Buscando fortalecer a parceria entre áreas e instituições a Secretaria Municipal de Assistência Social – SEMAS, participou no último dia 28 do Seminário Estadual sobre população em situação de Rua. O evento foi realizado em Belém e contou com a presença da Assistente Social Especialista em Sociologia e Mestranda em Serviço Social pela UFRJ Diana Delgado, do Coordenador do Movimento Nacional da População de Rua Anderson Miranda, do Coordenador Geral dos Serviços para a População em Situação de Rua do MDS, SNDH e MS Jair de Assis, da Secretária Municipal de Assistência Social de Parauapebas Leudicy Leão, da Coordenadora da Proteção Social Especial Cristiane Rezende, da Coordenadora do Centro Pop Paraupebas Adelzima Rodrigues e da Assistente Social Eliane Oliveira.

Segundo dados da Pesquisa Nacional sobre População em Situação de Rua – realizada entre agosto de 2007 e março de 2008, por meio do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) e Unesco – os principais motivos que levam pessoas a se tornarem moradoras de rua são três: alcoolismo e drogas, desemprego e desavenças se tornarem moradoras de rua são três: alcoolismo e drogas, desemprego e desavenças com algum familiar. 82% dessa população são do sexo masculino, 53% têm entre 25 e 44 anos e 67% são pessoas negras.


Estabelecer números e dados segundo especificidades da população em situação de rua paraense é fundamental para qualificar o atendimento, lembrando que este fenômeno é crescente, e assim é necessário entender com clareza o que acontece para elaborar intervenções conjuntas eficazes redefinindo a rede composta pelas áreas de assistência social, saúde, justiça, segurança pública e promoção social.

Em sua fala a Secretária da SEMAS Leudicy Leão reforçou que um órgão sozinho não vence todos os percalços e que Políticas públicas precisam ser solidárias, pois o desafio é coletivo, posteriormente passou a palavra para a Coordenadora do Centro Pop Parauapebas Adelzima Rodrigues que apresentou a todos os presentes a realidade enfrentada em nossa cidade e as ações que a Secretaria vem realizando para atender a população em situação de rua.

Em Parauapebas um levantamento aponta que 58 pessoas vivem em situação de rua, sendo que 55 são homens e 3 mulheres. Para atender esta demanda a equipe elaborou um plano de ação com trabalho social de abordagem e busca ativa que identifique nos territórios a incidência de pessoas em situação de rua, com o objetivo de buscar a resolução das necessidades imediatas e promover a inserção na Rede de Serviços socioassistenciais e das demais políticas públicas na perspectiva da garantia dos direitos. Finalizando a Coordenadora apresentou fotos do novo local onde será a Sede do novo Centro Pop.

Presente no evento e uma das falas mais aguardadas na programação, Anderson Miranda, coordenador do Movimento Nacional da População em Situação de Rua, lembrou onda de violência contra moradores de rua. “População de rua sofre massacre. Extermínio. Sociedade quer fazer higienização, afastar as pessoas que causam incômodo para longe. Temos que lidar primeiro com todo o preconceito que ronda essa questão”. Anderon morou em ruas de diversas cidades brasileiras durante 22 anos e afirma ainda retornar para ajudar os que ainda estão nessa situação. “Saí da rua, mas a rua não saiu de mim”, afirma.
Para o coordenador do Movimento Nacional é preciso desmistificar fatos, “nem todo morador de rua é pedinte, muitos têm até formação acadêmica”. Falta de informação e educação fragilizada também contribuem com indiferença, “desde pequenas as crianças têm medo do Homem do Saco e crescem com pavor desse estereótipo. Mudança tem que começar desde a escola. O passo que damos nesse seminário é muito importante, precisamos questionar: o que podemos fazer?”.

Publicidade

Veja
Também