SÉRIE PARAUAPEBAS 33 ANOS: Gesmar Rosa, o ex-carroceiro que virou deputado estadual

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Gesmar – Pioneiro que vem contribuindo com o desenvolvimento de Parauapebas

Chegar ainda jovem em um povoado em pleno desenvolvimento no sudeste do Pará, sem conhecer uma pessoa, nunca foi fácil para ninguém, especialmente em Parauapebas, que já demonstrava no começo da década de 1980 ser – no futuro – um município muito importante para a economia paraense e do Brasil. Pois isto aconteceu, naquela época, com o jovem pioneiro Gesmar Rosa da Costa, hoje com 58 anos de idade (07/11/1963), natural de São Miguel do Araguaia (GO). Apesar de ter curso superior incompleto, não pensou duas vezes e topou ser carroceiro por alguns meses na cidade, aproveitando a primeira oportunidade de trabalho que apareceu em sua vida. Fazia pequenos fretes e aos poucos ia conhecendo o povoado que ajudaria a crescer e a ser pujante.

“Além de carroceiro, exerci várias atividades de trabalho em Parauapebas: fui funcionário de comércio varejista de secos e molhados, materiais de construção e depois coloquei meus próprios negócios: bar, açougue e mercearia”, disse ele.


Sete mulheres e 24 filhos

Filho de Jerônimo Felipe da Costa e Maria Rosa de Jesus, produtores Rurais em São Miguel. “Meu pai teve sete esposas e com elas teve 24 filhos. Todas as esposas do meu pai se chamavam “Maria”. Então pode se disser que meu pai foi o homem da 7 Marias”, disse, sorrindo, o nosso homenageado.

Inferninho

À procura de novas oportunidades na vida, Gesmar decidiu vim morar em Parauapebas e chegou a cidade em 28 de fevereiro de 1983. “Isso aqui era um verdadeiro inferninho, por causa da famosa Rua do Meio (à época), onde ficavam as boates e cabarés do povoado, bastante frequentado por garimpeiros de Serra Pelada”, recorda.

Estudo

“Antes vir para cá eu estava cursando Ciências Políticas. Abandonei a faculdade e não concluí o curso”.

Casamento

Gesmar estava no povoado de Parauapebas, mas a cabeça não saía de São Miguel do Araguaia. Motivo: seu grande amor, que ele havia conquistado após as missas de domingo na paróquia da cidade. “Voltei lá, me casei com a então estudante Marlene Borges Mendonça da Costa, voltamos para Parauapebas e nossos dois filhos nasceram aqui nesta aconchegante cidade”, afirmou.

O ex-deputado Gesmar Rosa, esposa, filhos e netos

 

Serviço Público

Gesmar se engajou plenamente no movimento em prol da emancipação política de Parauapebas, que era subordinada a Marabá, e com a emancipação “passei a ser servidor público nomeado e ocupei o cargo do primeiro comprador da Prefeitura Municipal de Parauapebas; fui diretor da FASC (Fundação de Ação Social, hoje Semas), chefe de gabinete, diretor do Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Parauapebas (SAAEP) e deputado estadual por dois anos, com a eleição do então deputado Tião Miranda para a prefeitura de Marabá”.

Momentos marcantes

O ex-deputado lembra que muitas coisas marcaram a vida dele em Parauapebas. “O início das atividades futebolísticas, fomos pioneiro de fato, participei ativamente do processo de emancipação política da cidade juntamente com outras pessoas visionárias”.

Parauapebas crescia no Bairro Cidade Nova, mais caracterizado por lojas diversas e com o movimentado bairro Rio Verde, com sua famosa Rua do Meio, dos “inferninhos”.

 

Invasão de garimpeiros

“O que a história não conta é que após o fechamento do garimpo de Serra Pelada em 1992 pelo então presidente Fernando Collor de Melo, em um determinado dia, Parauapebas foi ocupada por garimpeiros que reivindicavam seus direitos monetários na época. Como Parauapebas é a porta de entrada da Serra de Carajás, aqui eles se manifestaram, colocaram fogo na delegacia, no centro de treinamento, entre outros locais”, revela Gesmar.

Momentos importantes na sua vida

“Nascimentos dos meus filhos; emancipação política e administrativa de Parauapebas e posse como deputado estadual”.

Recordações

“Invasão dos garimpeiros, emancipação política e administrativa e a primeira eleição em Parauapebas, onde fui detido em Marabá pela Polícia Federal, por defender o processo eleitoral em Canaã dos Carajás, que na época ainda pertencia a Parauapebas”, destacou.

Parauapebas

“Orgulho da cidade que me deu as principais oportunidades nesta vida, onde meu primeiro trabalho foi como carroceiro e consegui vencer na vida. Penso que este município rico – que há anos segura a balança comercial deste país – deveria ter tido mais sorte com os gestores que a administraram”, disse Gesmar, mesmo tendo participado de algumas administrações em Parauapebas.

Hoje, Gesmar Rosa é um próspero produtor rural no distrito Comunidade, no município de Marabá, onde cria gado de corte. “Acredito no agronegócio e sou um apaixonado por roça e por gado. O agronegócio é que segura o Produto Interno do Brasil, o PIB. E o Pará tem hoje o quarto maior rebanho do país, com mais de 22 milhões de cabeças. Então, é uma honra fazer parte deste mundo do agro”, afirmou o ex-deputado.

Hoje, Gesmar atua na área do agronegócio no município de Marabá (PA)

 

veja também