Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Serviço de Inspeção Municipal: trabalhando a prevenção e promoção da saúde pública

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Você conhece a procedência da carne que chega à sua mesa? Em Parauapebas, o trabalho desenvolvido pelo Serviço de Inspeção Municipal (SIM) busca garantir a sanidade e qualidade dos produtos de origem animal, esta presente nas indústrias, no caso de frigoríficos de abate, desde o recebimento dos animais até a expedição da carne para o comércio.

O município conta apenas com um frigorífico regularizado de carne bovina, que tem capacidade para realizar 350 abates por dia, atendendo a demanda de Parauapebas e outros municípios vizinhos.
Vinculado à Secretaria Municipal de Produção Rural (Sempror), o Serviço de Inspeção Municipal possui profissionais que desenvolvem o trabalho de controle de qualidade, bem estar do animal e a inspeção dos produtos. A médica veterinária Márcia Ferro, que há seis anos trabalha na área de controle e qualidade, fala da importância do serviço.


“Cerca de 120 animais são abatidos por dia. Por lei é obrigatória a permanência do médico veterinário, responsável pela inspeção durante todo o processo de abate, liberando para consumo os produtos devidamente embalados e identificadas. No caso de lacticínios e industrias artesanais a fiscalização é realizada desde o recebimento da matéria prima até o beneficiamento e a produção de alimentos”, explica.

A veterinária comenta ainda que não é permitida a venda de produtos de origem animal sem a inspeção. “Nosso papel é orientar, informar aos produtores locais sobre os riscos de um alimento contaminado. Os cuidados com os alimentos devem continuar no comércio e na casa do consumidor visando principalmente evitar a contaminação do produto. Trabalhamos a saúde pública”, enfatiza Márcia Ferro.

Ítalo Alfaia, médico veterinário responsável pela inspeção dos produtos, acrescenta ainda que é preciso cumprir a lei para comercialização de um produto de qualidade. “No início do serviço era mais complicado, hoje é algo natural para os proprietários que trabalham dentro da legalidade. Encontramos doenças como tuberculose, brucelose, cisticercose – doença sistêmica ou localizada – toda carne doente é retirada da mesa do consumidor”, afirma o veterinário.

Os profissionais orientam o consumidor que, ao comprar qualquer tipo de alimento, observe a embalagem com o rótulo indicando o endereço do fabricante, data de fabricação e prazo de validade. Para os alimentos resfriados, deve ser verificada a temperatura de conservação. Alimentos de origem animal, como carnes, ovos, leite, queijos e embutidos em geral devem possuir o carimbo de inspeção, seja municipal, estadual ou federal, garantindo a sua qualidade.

De acordo com o coordenador geral do SIM, Antônio Júnior Gomes, além do frigorifico de bovinos, o SIM inspeciona o frigorífico de aves onde aproximadamente 450 aves são abatidas diariamente e também de carne suína com cerca de 100 abates por semana. Fiscaliza ainda os produtores artesanais de queijo, uma fábrica de charque, linguiça e dois lacticínios com produção diária de 10 mil litros de leite.

Publicidade

Veja
Também