Servidores aprovam proposta de reajuste salarial em Parauapebas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Depois da última Mesa de Negociação com o prefeito no dia 26 de abril, o Sindicato dos Servidores Públicos de Parauapebas (SINSEPPAR) realizou uma ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA no dia seguinte (27/04/2017), às 13h30, no auditório da Câmara Municipal de Parauapebas, foi aprovada a proposta de reajuste salarial e vale alimentação, proposto pelo Governo em mesa de negociação.

A proposta foi aprovada pela maioria dos servidores que estiveram presente na assembleia, sendo o aumento de 8% no reajuste salarial e o vale alimentação para R$ 600, sendo feito o pagamento em 4 vezes (maio, junho, julho e agosto), além do estudo sobre os impactos na folha de pagamento do reajuste judicial e de começar o pagamento no inicio de 2018, para os casos já julgados na justiça.


Os sindicatos buscaram incansavelmente chegar o índice regional de 10,94%, mas o gestor apresentou números da baixa arrecadação no município, impossibilitando no momento passar de 8%. Mais o governo assegurou que vem buscando melhorar arrecadação de Parauapebas e logo que conseguir, vai discutir o reajuste salarial em cima do índice regional para próximo ano.

Participaram das mesas de negociações o SINSEPPAR, SINTEPP, SENPA e SINDMEPA.

O projeto agora será encaminhado para a Câmara de Vereadores e deverá ser aprovado em primeira e segunda discussão, e não tendo nenhum imprevisto, os servidores devem começar a receber o reajuste no pagamento de maio.

SINTEPP não aceita proposta

A coordenação do Sintepp – sub sede Parauapebas – informa que na última assembleia da categoria ocorrida no dia 28 de abril, após analisar as propostas apresentadas pelo governo, acerca do reajuste salarial, a plenária rejeitou a proposta de 8% de reajuste salarial. A coordenação enfatiza que tal rejeição se dá principalmente pela falta de clareza nas apresentações dos números pelo governo. A assembleia também aprovou uma nova proposta de 10% de reajuste e manutenção da proposta do governo em relação ao auxílio alimentação de R$ 600,00. A coordenação oficializará ao governo a respeito da decisão da assembleia e solicitará uma nova mesa de negociação para continuar a discussão.

Publicidade

veja também