Sexta-feira movimentada com denúncia de dois casos de violência doméstica

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Esta sexta-feira (18) foi marcada na Delegacia de Polícia Civil de Parauapebas por dois casos de violência doméstica, envolvendo, no primeiro caso, a vítima Bernadete de Fátima Silva dos Santos, 50 anos, e o acusado Cleiton Sousa dos Santos, 34 anos; e no segundo, uma adolescente de 17 anos de idade e Josevan Santos Abreu, 20 anos.

Primeiro caso
De acordo com Boletim de Ocorrência registrado na Delegacia de Polícia Civil por uma guarnição da Polícia Militar, os policiais foram acionados via celular pelo Centro de Controle Operacional (CCO) para atender a uma ocorrência de ameaça, no Bairro Tropical II.


Ao chegar ao local, a guarnição da PM foi informada pela vítima Bernadete de Fátima que ela estava sendo ameaçada de morte pelo vizinho Cleiton Sousa, com uma faca, sendo chamada de preta e agredida fisicamente.

Na hora em que foi abordado pelos policiais, Cleiton tentou reagir, sendo necessário o uso de algemas para resguardar a integridade física do acusado e da guarnição. Diante dos fatos, o acusado e a vítima foram detidos e encaminhados à delegacia de polícia, para a realização dos procedimentos legais.

Segundo caso
Já no segundo caso, registrado também na Polícia Civil por uma guarnição da Polícia Militar, a adolescente de 17 anos denunciou que estava sendo agredida fisicamente e ameaçado de morte pelo ex-companheiro dela, Josevan Santos Abreu, que, segundo a polícia, responde pelo crime de tráfico de entorpecentes (Art.33) e está de alvará.

No local, Bairro Guanabara, depois de conversarem com a senhora Marina, mãe da menor de idade, os PMs ficaram cientes da situação e foram informados que o acusado se encontrava recolhido num cômodo da residência.

A guarnição adentrou ao imóvel, encontrou o acusado numa cama e deu voz de prisão, mas Josevan ofereceu resistência, sendo necessário o uso moderado da força para contê-lo e algemá-lo, devido ao grau de nervosismo que o acusado se encontrava.

Durante a abordagem na residência, segundo ainda relato da Polícia Militar, foi identificado um forte odor de maconha e verificado vários papelotes característicos para “endolação” do entorpecente, porém não foi encontrada nenhuma porção de droga.

veja também