Sindicato diz que Vale não vai pagar PLR aos funcionários de Itabira

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A informação logicamente desagradou o presidente do Sindicato Metabase, Paulo Soares. Para ele, o não pagamento da PRL não só afeta a vida dos trabalhadores como de toda economia de Itabira. O sindicalista calculava que a soma da PLR neste ano atingiria cerca de R$ 40 milhões. “É a mesma coisa do Governo Federal não pagar o 13º. Diversos trabalhadores já tinham feito compromissos com a PLR. Muitos vão ficar endividados. A inadimplência da Vale vai ser esmagadora para a cidade”, reclamou Paulo.

A Vale informou que a decisão é inegociável, mas que o Sindicato Metabase pode apresentar uma pauta de reivindicação para as PRL de 2016 e 2017. Desde que a PLR foi insituída, há 20 anos, é a primeira vez que os funcionários não receberão nenhum valor. Em 2014, por exemplo, a PLR ficou na média de 5,1 salários.


“Cidade caótica”

Segundo Paulo Soares, na semana passada, o Sindicato Metabase foi avisado pela mineradora que até o final deste ano haverá mais 2,5 mil demissões por causa de conclusão de obras. “Mil e quatrocentos desses trabalhadores são de Itabira”, disse o sindicalista, ao afirmar que a situação da cidade ficará caótica. “Daqui quatro meses essa cidade vai ficar pior, porque não existe programas de assistência a essas pessoas demitidas”, lamentou.

Perguntado sobre a possibilidade de sugerir a criação de um programa de assistência ao demitidos na Câmara Municipal, Paulo Soares afirmou que já fizeram a indicação. “Queremos criar o programa através da Secretaria de Ação Social”, contou o presidente.

Reportagem: Mariana Reis / DeFato Online

Publicidade

veja também