Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Sindicatos confirmam paralisação em Parauapebas na sexta-feira (28)

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

É com o objetivo de se manifestar contra as reformas políticas pelas quais passam o Brasil, que diversos sindicatos em Parauapebas e a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) têm se organizado a fim de mostrar ao Congresso Nacional e à Presidência da República a insatisfação popular.

Ontem, 25, terça-feira, diretores dos principais sindicatos com sede no município: METABASE Carajás, SIMETAL, SINTEPP e SINSEPPAR, representando diversas categorias, se reuniram para definir a participação na PARALISAÇÃO NACIONAL que ocorrerá na sexta-feira, 28.


O resultado da reunião foi demonstrado em coletiva de imprensa concedida na manhã de hoje, 26, quarta-feira, no auditório do METABASE Carajás, onde foi passada à imprensa local a programação do ato no município, que deverá ocorrer na sexta-feira, com concentração às 9h00, na Praça de Eventos (bairro Cidade Nova), com caminhada até a portaria da FLONACA (Floresta Nacional de Carajás) e desfecho na Praça do Fórum Trabalhista, onde se dará a apresentação da pauta e falas dos representantes.

Podem participar do ato todos os cidadãos de qualquer segmento profissional, religioso, raça, opção sexual etc.

Na coletiva de imprensa, um dos pontos citados pelo presidente do METABASE Carajás, sindicato que representa mais de 10 mil trabalhadores na mineração, nas minas da Vale no Pará, Raimundo Amorim (Macarrão), foi a perda do direito de receber as horas in-itineres, que representa pelo menos 30% do salário do trabalhador, somado a 18% adicional na jornada dos que trabalham em turnos alternados, percentual que tirado de um montante de R$ 35 milhões (total recebido em salário pelos trabalhadores) causará impacto negativo na região.

Em resumo, o valor que hoje é recebido pelos trabalhadores nas minas poderá ser reduzido pela metade, o que significa uma perca de pelo menos R$ 17,5 milhões. “Já perdemos muito em vagas de trabalhos e reajuste salarial nas mesas de negociação nos últimos anos. Agora é hora de rever os direitos dos trabalhadores”, preocupa-se Macarrão.

Macarrão – Metabase Carajás

O professor Raimundo Moura, coordenador do SINTEPP (Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Pará), disse ser de fundamental importância a participação de todos neste momento crítico que atravessa o país. “Não podemos protestar apenas nas redes sociais, mas sim ir às ruas e mostrar nossa indignação”, afirmou.

Raimundo Moura – Sintepp

O presidente da OAB – Subseção Parauapebas, Deivid Benasor da Silva Barbosa, garante ser inconstitucional a perda de direitos. “Direitos têm que ser aumentados, sempre, e jamais suprimidos. Este é um momento em que a história registra um retrocesso no que passamos tantos anos para garantir em favor de nosso povo”, lamenta o advogado.

David – Presidente da OAB Parauapebas

Reportagem: Francesco Costa / Da Redação do Portal Pebinha de Açúcar

Publicidade

Veja
Também