Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

SINTEPP e Prefeitura de Parauapebas ainda não “se entendenderam” sobre reajuste salarial

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Os representantes do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Pará (SINTEPP), na mesa de negociação, rejeitaram a proposta do governo de 7% de reajuste salarial mais Vale Alimentação de R$ 380.00. A proposta foi rejeitada, por unanimidade, pelos professores e a categoria decidiu continuar com a sua primeira proposta. O governo, representado pelo Chefe de Gabinete Gilmar Moraes, apresentou uma nova proposta de 7,5% de reajuste salarial mais Vale Alimentação de R$ 392.00.

O SINTEPP exigiu uma nova contra-proposta do governo e uma reunião com a Secretária de Educação, Juliana Souza, e a equipe gestora para tratar dos assuntos específicos dos professores, como o PCCR, afirmando que essa proposta não seria aceita pela categoria. Gilmar disse que precisaria sentar novamente com o prefeito, Valmir Mariano, e com outros secretários para discutir uma nova contra-proposta mais viável para todos.


A nova proposta será apresentada no dia 16, ainda este mês.

Articulação -Depois de frustrada a segunda rodada de negociação, quando o Governo Municipal de Parauapebas apresentou uma nova proposta de reajuste salarial, passando de 6,59% para apenas 7%, e o vale alimentação permanecendo em R$ 380,00 (trezentos e oitenta reais), os sindicatos SINTEPP (Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Pará) e Sintespp (Sindicato dos Trabalhadores em Saúde Pública do Pará )se reuniram em Assembleia Geral Unificada às 18h, no Auditório do Centro Universitário de Parauapebas-CEUP, para deliberação sobre a proposta apresentada pelo Governo, e os rumos a serem tomados frente às negociações.

A coordenadora do Sintepp, Luciene Moitinho, abriu a Assembleia e passou para Raimundo Gomes Bezerra, diretor do Sintespp que explicou a situação de impasse entre os trabalhadores e o governo, que apresentou pedido de 19,6% de reajuste salarial tendo como resposta apenas 7%; e o pedido de cesta básica de R$ 495, tendo como contraproposta R$ 380.

Vários servidores inscritos falaram na Assembleia e apresentaram sugestões de propostas que foram encaminhadas e debatidas pelos coordenadores que, agora, preparam para buscar negociação na segunda-feira, quando reunidos com o governo sentarão na mesa de negociação.
“A proposta de 7% de reajuste salarial não nos agradou nem mesmo o reajuste proposto para o vale alimentação”, afirmou Raimundo Gomes, dizendo que a planilha apresentada pelo governo não convenceu aos sindicatos e, ele diz, esperar algo mais detalhado além de outra proposta que venha contemplar a expectativa e necessidade dos trabalhadores.

Reportagem e foto: Francesco Costa – Da Redação do Portal Pebinha de Açúcar

Publicidade

Veja
Também