Single Posts
Confirmados
26.267
Single Posts
Recuperados
15.327
Single Posts
Óbitos
177

 Publicidade

“Sou quadrilheiro e exijo respeito” foi o tema do 6° Fórum Junino de Parauapebas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
“Sou quadrilheiro e exijo respeito” foi o tema do 6° Fórum Junino de Parauapebas

Com o tema “Sou quadrilheiro e exijo Respeito”, teve início o 6° Fórum Junino, ás 9h00 no Centro de Desenvolvimento Cultural de Parauapebas (CDC), na manhã do último domingo (22), no bairro Cidade Nova. O evento é realizado pela Liga das Agremiações Juninas (LIAJUP), em parceria com a Secretaria Municipal de Cultura (SECULT).

Marcaram presença no evento, quadrilheiros e apreciadores da cultura junina lotando o local com cerca de 300 pessoas.


Para dar início, foram chamados à mesa Paulo, representando a categoria caipira, Edclei Arouche; representando a categoria estilizada e Junior, da categoria salão. Todos falaram sobre a importância de valorizar a cultura junina e respeitar as diferenças, sendo que também foi falado sobre as dificuldades enfrentadas no dia a dia para uma quadrilha chegar com belas apresentações no Festival Junino Jeca Tatu.

Em seguida, o microfone foi aberto para público que tirou dúvidas, deu opiniões e destacou as dificuldades para ser quadrilheiro e o que precisa ser ajustado para se fazer um festival junino ainda melhor. Também foi enfatizado que as pessoas e empresariado local precisam olhar com outros olhos para a cultura junina, e não mais com o olhar de preconceito. “Festa Junina é cultura e todas as crianças, jovens e adolescentes vem para brincar, ter uma ocupação. Aqui eles aprendem a dançar, disciplina e são incentivados a ir bem na escola”, destacou um dos ocupantes a mesa de debates.

Carlos Magno, popular Bhyl, falou sobre a importância de realizar um evento como este para os quadrilheiros e todas as pessoas que têm curiosidade de conhecer um pouco mais dessa cultura, que tanto encanta quem dança como quem assiste. “Para a LIAJUP é uma grande satisfação ver tantos adolescentes num evento como este, participando e debatendo sobre igualdade de gênero, respeito, preconceito e aprendendo um pouco mais sobre dança, trajes e marcador, assuntos que irão contribuir com cada quadrilha que está aqui hoje”, disse o presidente da LIAJUP.

José Luís, psicólogo entrou logo após o debate e falou sobre vários temas como gravidez na adolescência, sexualidade e depressão. Após, os participantes fizeram perguntas e tiraram dúvidas com o palestrante.

Italo dança na Agremiação Junina Flor do Sertão e aprendeu com pai a dançar quadrilha. “Estou muito feliz em estar aqui e aprender um pouco mais sobre essa cultura que sempre me acompanhou desde muito pequeno. As pessoas precisam enxergar que somos adolescentes fazendo algo produtivo chamado cultura”, disse o brincante.

Ao meio dia foi servido almoço para todos e ás 14h00 os presentes participaram de oficinas, onde puderam aprender um pouco sobre traje com Solange Loureira, e com Ivanildo Mercês sobre Marcação e o Marcador.
Quem marcou presença ainda pôde curtir carimbó com o grupo Raízes Parauara, seguido pela palestra sobre Coreografia de Carlos Henrique e sobre Conjunto com Clodoaldo.

As programações que antecedem o Festival Junino Jeca Tatu de Parauapebas seguem com arraias que terão início dia 05 de maio.

Publicidade

Veja
Também