Single Posts
Confirmados
27.118
Single Posts
Recuperados
17.094
Single Posts
Óbitos
184

 Publicidade

STF mantém afastamento de prefeito de Curionópolis denunciado pelo MPPA por desvio

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Tribunal de Justiça afasta Adonei Aguiar do cargo de prefeito de Curionópolis

Adonei Aguiar – Prefeito de Curionópolis

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou, nesta sexta-feira (3), pedido de Adonei Sousa Aguiar para retornar ao cargo de prefeito de Curionópolis, município localizado na região sudeste paraense. Adonei está afastado da função desde o dia 16 de março a pedido do Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), que o denunciou à Justiça por integrar um esquema criminoso que desviou recursos públicos e fraudou um processo licitatório estimado em R$ 2,6 milhões

Ao negar o habeas corpus impetrado por Adonei Aguiar, Edson Fachin seguiu a decisão do Superior Tribunal de Justiça, que em 25 de março já havia indeferido concessão de medida liminar, solicitada pelo prefeito atualmente afastado, para voltar á chefia da prefeitura de Curionópolis.


“Tem-se reconhecido o descabimento de habeas corpus dirigido ao combate de decisão monocrática de indeferimento de liminar proferida no âmbito do STJ. Tal entendimento pode ser extraído a partir da leitura da súmula 691, do STF”, destaca Edson Fachin na decisão.

Com a decisão do STF, Adonei Aguiar permanece afastado da prefeitura de Curionópolis pelo período de 180 dias, a contar de 16 de março de 2020. O afastamento foi determinado pela seção de direito penal do Tribunal de Justiça do Estado do Pará (TJPA), em atendimento a pedido cautelar proposto por Gilberto Martins, procurador-geral de Justiça do Pará. Presente à sessão, Gilberto Martins sustentou que o então prefeito se utilizou do cargo para autorizar o pagamento de serviços à WMP Serviços e Construções, mesmo a empresa não tendo qualquer vínculo com a prefeitura e sem ter prestado serviços à municipalidade.

O TJPA também acolheu pedido do MPPA e determinou o bloqueio de bens e a instauração da ação penal em desfavor de Adonei Aguiar pela prática dos crimes de falsidade ideológica, fraude em licitação e desvio de recursos públicos. No entendimento dos magistrados, as investigações do Ministério Público apresentaram indícios concretos sobre a participação do prefeito em esquema fraudulento para a realização de serviços de manutenção e recuperação da estrutura física dos prédios públicos municipais.

“Este é um importante resultado para o Ministério Público e para a sociedade. É um valioso precedente para o combate aos crimes contra a administração pública”, comentou nesta sexta-feira o procurador-geral Gilberto Martins.

Entenda o caso

Em 2017 a prefeitura de Curionópolis contratou a empresa Infinity Construções e Serviços por meio da assinatura de uma ata de registro de preços, avaliada em R$ 2,6 milhões, para a realização de serviços de manutenção e recuperação da estrutura física dos prédios públicos municipais.

De acordo com investigações do MPPA, a assinatura foi intermediada por Wender da Cunha Souza, procurador da empresa WMP Serviços e Construções, que pertence ao seu pai, Valdivino Pereira da Cunha. Foi Wender quem apresentou ao prefeito Adonei Aguiar a ata de registro de preços da Prefeitura Municipal de Belém, parcialmente ganha pela empresa Infinity Construções. A prefeitura de Curionópolis aderiu à ata dispensando qualquer outro procedimento licitatório.

Embora tenha intermediado a contratação, Wender Cunha nunca apresentou vínculo ou representou a empresa Infinity Construções. Ele apenas retirou da internet os documentos necessários à contratação. As investigações do MPPA apontaram que a prefeitura nunca teve qualquer contato com os verdadeiros representantes da Infinity.

Em que pese a ata de registro de preços aderida pela prefeitura de Curionópolis ser verdadeira, toda a contratação foi realizada com Wender Cunha, que, mediante falsidade ideológica, atuou como se fosse sócio da Infinity.

A Infinity não recebeu qualquer valor referente à suposta prestação de serviços à prefeitura. O MPPA apurou que a prefeitura pagou R$ 262,8 mil à WMP Serviços e Construções, sem ter realizado qualquer obra, por ordem do prefeito Adonei Aguiar e do secretário municipal de Finanças, André Gustavo Pagliuso.

Após o início das investigações pelo MPPA, a prefeitura de Curionópolis iniciou uma “montagem” de processo licitatório para legitimar a contratação da Infinity. A pedido do MPPA, o Tribunal de Contas dos Municípios do Estado do Pará (TCM-PA) analisou os documentos referentes a esta licitação e encontrou várias inconsistências e fraudes.

Em uma das falsificações, o TCM-PA identificou que o prefeito Adonei Aguiar tentou mascarar informações para que a fiscalização formal e rotineira do órgão de controle externo não identificasse que os pagamentos justificados no contrato com a Infinity tenham sido verdadeiramente depositados em conta da empresa WMP Serviços e Construções.

Publicidade

Veja
Também