Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Taxista que atropelou e matou mulher no Cidade Jardim responderá processo em liberdade

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Vários taxistas acompanharam na 20ª Seccional a apresentação de “Maranhão”

Como foi noticiado AQUI no Portal Pebinha de Açúcar, na tarde desta terça-feira (18), o taxista que atropelou e matou uma mulher no Bairro Cidade Jardim, se apresentou espontaneamente ao lado de seu advogado à 20ª Seccional de Polícia Civil em Parauapebas.

Trata-se de Reginaldo Carneiro dos Santos, conhecido como “Maranhão”, que é casado e tem 46 anos de idade. Ele se apresentou às autoridades policiais ao lado do advogado Pedro Jacques de Oliveira Filho.


“Maranhão” não ficará preso e responderá em liberdade pelo crime de homicídio culposo ou homicídio involuntário, que ocorre quando uma pessoa mata outra, mas sem que tivesse esta intenção, nem aceitando os riscos que levem à morte da outra; pode ser por negligência, imperícia ou imprudência. Se condenado, pode pegar de 2 a 4 anos de prisão.

“Maranhão” no momento em que se apresentou à polícia

 

Em declarações prestadas à reportagens do Portal Pebinha de Açúcar, o advogado Pedro Jacques afirmou: “Em depoimento, o meu cliente falou o que todos já sabemos, foi um acidente trágico, a gente sente muito, nossas condolências à família, sabemos que é um momento de dor e respeitamos, mas também não está sendo fácil para o nosso cliente. Reginaldo é um pai de família, casado, é profissional e infelizmente todos sabem que por fragmentos de segundos aconteceu aquele acidente. Ele afirmou em depoimento que quando viu, já tinha uma pessoa em cima do capô do carro”, relatou o advogado.

Perguntado sobre o motivo de “Maranhão” não ter parado o veículo para prestar socorro à vítima, o advogado disse: “Isso é muito compreensível, era na frente de um bar lotado de gente e com pessoas exaltadas, se ele para no local, com certeza não estaria mais aqui para contar essa história”.

Indagado por nossa reportagem sobre a velocidade em que seu cliente trafegava, o advogado Pedro Jacques relatou: “Ele não entende que estava em alta velocidade, afirmou que tinha um quebra molas a uns 300 metros antes do acidente e que na verdade ele não viu a moça no meio da rua e não teve frenagem. Foi uma coisa que nem ele sabe explicar, não estava usando celular, não estava consumindo bebida alcoólica, até porque ele é evangélico. No momento do acidente o “Maranhão” estava indo fazer uma corrida, no qual foi chamado para ir até ao shopping”.

Pedro Jacques – Advogado do taxista

 

Ainda em declarações prestadas ao Pebinha de Açúcar, o advogado Pedro Jacques afirma que seu cliente “Maranhão” deu o depoimento às autoridades policiais de forma espontânea e está à disposição da Justiça. “Ele tem endereço fixo, vai responder em liberdade, não está se eximindo de responder pelos erros que ele fez e a Justiça vai dizer como proceder daqui para frente”, disse.

Questionado sobre o motivo de “Maranhão” não ter se apresentado à polícia no dia do acidente, domingo, o advogado afirmou: “Ele não sabia quem tinha atropelado e quando chegou em casa e viu toda a comoção e repercussão nas redes sociais, temeu pela sua vida e preferiu ver depois o que poderia fazer. Em nenhum momento fugiu, procurou um advogado para suas devidas proteções jurídicas e se apresentou hoje”.

Quem também conversou com a equipe de reportagens do Portal Pebinha de Açúcar, foi o Delegado Felipe Oliveira, responsável pelo caso. “Ouvimos o senhor Reginaldo Carneiro dos Santos e ele vai responder processo de homicídio culposo em liberdade, tendo em vista que de acordo com as leis, não se encontra até o momento permissão para que o mesmo possa ser preso em flagrante e também por não ter antecedentes criminais, não preenche até o momento os requisitos para uma preventiva”, enfocou a autoridade policial.

Publicidade

Veja
Também