Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Teatro acessível da Escola de Gente chega ao Pará, Marabá está no roteiro

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Depois de passar pelo Maranhão, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Mato Grosso do Sul, o grupo teatral Os Inclusos e Os Sisos, projeto de arte e transformação social da ONG carioca Escola de Gente faz, no Pará, a sexta e última parada da turnê que levou cultura com acessibilidade para cidades brasileiras. Nos dias 02 e 03 de outubro, o grupo apresenta em Marabá o espetáculo Ninguém Mais Vai Ser Bonzinho – Em Esquetes. O patrocínio é da mineradora Vale, através da Lei Rouanet do Ministério da Cultura.

Com direção de Mariana Rebello, o espetáculo conta com todos os recursos de acessibilidade na comunicação previstos em lei: intéprete de Libras, legenda eletrônica, audiodescrição das cenas, programas em braile, visita guiada ao cenário, atendimento prioritário para pessoas com deficiência e reserva de assentos para pessoas com deficiência e/ou mobilidade reduzida. Todo esse esforço conjunto da Escola de Gente, da Vale e do Ministério da Cultura vai ao encontro do que determina a legislação brasileira e internacional sobre Direitos Humanos, especialmente o Estatuto da Criança e do Adolescente, a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência da ONU, ratificada no Brasil pelo Decreto Legislativo 186/08 e Decreto Federal 6.949/09, e o Decreto 5.761/06.
Baseada no livro homônimo da jornalista e fundadora da Escola de Gente, Claudia Werneck, recomendado por Unesco e Unicef, a peça Ninguém mais vai ser bonzinho tem como tema central a urgência em se promover uma sociedade inclusiva, passando da fase de conscientização para a de ação. Apresentado pela primeira vez em 2007, com direção de Diego Molina, Ninguém mais vai ser bonzinho é um espetáculo que revela cenas sutis de discriminação no dia a dia, apresentadas com muito bom humor. O livro, publicado no ano de 1996 pela WVA Editora, especializada em inclusão, é vendido também em formatos acessíveis e se tornou a primeira obra no Brasil a tratar do tema a partir da Resolução 45/91, assinada pela ONU em 1990.


Oficinas de teatro
Além de assistir aos espetáculos, o público também poderá participar de oficinas de teatro, ministradas pelo grupo Os Inclusos e os Sisos com a supervisão da Escola de Gente. As Oficinas de Teatro Acessível foram criadas pela Escola de Gente no ano de 2010 para fazer com que artistas e produtores culturais experimentem impasses e encontrem soluções para sempre garantir o direito à participação e à comunicação de pessoas com deficiência em espetáculos de teatro, dança, concertos musicais, etc. As oficinas têm vagas limitadas e as inscrições podem ser feitas através do e-mail [email protected]

Campanha
A turnê integra a Campanha Teatro Acessível. Arte, Prazer e Direitos. Idealizada em 2011 pela Escola de Gente, a campanha tem o objetivo de garantir mais autonomia e participação de pessoas com deficiência, mobilidade reduzida e baixo letramento, entre outras condições, na vida cultural de suas cidades. Em 2013, por sua exemplaridade, a campanha foi incorporada como ação e conteúdo de política pública pelo Ministério da Cultura. Como desdobramento da campanha, foi aprovado recentemente na Comissão de Constituição e Justiça, o projeto de lei que institui o Dia Nacional do Teatro Acessível, uma iniciativa que tem como principal objetivo garantir o incentivo e a observância à acessibilidade nos locais e espetáculos culturais. Agora o projeto segue para o Senado Federal, para que seja oficializado o dia 19 de setembro como o dia da acessibilidade plena.

Os Inclusos e os Sisos: Teatro de Mobilização pela Diversidade – O projeto foi iniciado em 2003 pela atriz Tatá Werneck, que mobilizou outros estudantes da Faculdade de Artes Cênicas da UniRio. Juntos, aceitaram o desafio de colocar o teatro, especialmente o humor, a serviço de temas como inclusão, acessibilidade, diversidade e direitos. Atualmente o grupo está na sua oitava geração de jovens artistas dedicados/as a colocar a arte a serviço da Inclusão. Este ano, o projeto foi premiado como um dos mais inovadores do mundo, numa seleção feita pelo programa Zero Project Innovative Practices, da organização austríaca Essl Foundation, que em parceria com o World Future Council e o Bank Austria, reúne e cataloga a mais completa coleção de experiências exitosas pela garantia de direitos de pessoas com deficiência. Desde a criação do grupo até hoje, mais de 60 mil pessoas com e sem deficiência já assistiram aos espetáculos teatrais gratuitos e acessíveis em todo o Brasil.

Ninguém nais vai ser bonzinho baixa 035

Escola de Gente
Na última década, a Escola de Gente trabalha para que as políticas públicas se tornem inclusivas, ou seja, que garantam direitos humanos também para quem tem deficiência e vive na pobreza, especialmente crianças, adolescentes e jovens. A participação em conselhos, produção e disseminação de marcos teóricos e metodologias próprias, formação de juventudes em mídias acessíveis em universidades, comunidades e favelas, criação de indicadores, consultorias e distintas ações na área da cultura são papéis desempenhados pela Escola de Gente. Desde a sua fundação, em 2002, a ONG já sensibilizou mais de 400 mil pessoas de 16 países das Américas, África, Oceania e Europa, além de contar com parceiros/as da sociedade civil, governos, Ministério Público da União, conselhos de direitos, cooperação internacional e empresas. Por sua atuação, a Escola de Gente recebeu 21 reconhecimentos nacionais e internacionais, como o “Prêmio Direitos Humanos 2011” da Presidência da República na categoria “Direitos de Pessoas com Deficiência”. É a mais alta condecoração do Estado brasileiro na área dos Direitos Humanos.

Patrocínio Vale
A Vale investe em diversas iniciativas que contribuem com o desenvolvimento da sociedade, pois acredita no potencial transformador da cultura e do conhecimento. Em todo o país, são apoiadas diversas iniciativas nos segmentos Cultural e Técnico-institucional e o patrocínio ao projeto Teatro Acessível pelo Brasil reforça sua diretriz de atuação voltada para a democratização do acesso à cultura.

Veja a programação completa

Marabá, PA

02 e 03/10 – Apresentação – 16h
Local apresentação: Anfiteatro da Faculdade Metropolitana (Rodovia BR 230, Km 05, s/n)

03/10 – Oficina de teatro: das 9h às 12h
Local oficina: Anfiteatro da Faculdade Metropolitana (Rodovia BR 230, Km 05, s/n)

Publicidade

Veja
Também