Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Tempo seco e falta de consciência de populares contribuem para proliferação de queimadas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Durante muitas décadas as queimadas de verão na região fustigaram a população de forma violenta. Em virtude do clima abrasivo e da seca, fazendeiros queimavam a mata com o objetivo de formar pastagens para o gado. Também nesse período a pastagem era queimada para que em seu lugar ressurgisse um capim mais forte. As primeiras chuvas faziam brotar o pasto verde para alimentar o gado.

A conseqüência disso e que o vento levava a fuligem para as áreas urbanas, fazendo o céu ter uma coloração marrom alaranjada.


Nesse período, doenças respiratórias, típicas do verão, como bronquite, asma e doenças cardíacas também se proliferam e as crianças e idosos são as que mais sofrem. Os sintomas são: dificuldade para respirar, tosse seca, cansaço, ardor nos olhos, nariz e garganta.

Com o fortalecimento da consciência ambiental, a partir da metade da década de 90, o Ibama combateu as queimadas que se tornaram mais rara. As pesadas multas aplicadas pelo órgão inibiu a degradação do meio ambiental pelas queimadas.

Incêndios urbanos – Nos últimos tempos, os incêndios voltaram a fustigar a cidade. Por se localizar numa espécie de vale e cercada de montanhas, Parauapebas é muito propícia a esse tipo de ocorrência. Quando uma chama é acesa na base de montanha, o vento de verão impulsiona as chamas montanha acima. A vegetação ressecada serve de combustível para a proliferação das chamas. A baixa umidade relativa do ar também contribui para a multiplicação dos incêndios

Na semana passada o morro que circunda as chácaras do Sol, da Lua e das estrelas pegou fogo, levando perigo para os moradores do entorno. O Corpo de Bombeiros foi acionado diversas vezes.

“Todos os anos é a mesma coisa, o mato fica seco e vez por outra surge focos de queimada, mas esse ano o morro queimou por vários dias”, disse Raimundo Sena, morador do local há 15 anos, mas confessa que se assustou com a altura das chamas do incêndio que já foi controlado.

Por: Marcel Nogueira

Publicidade

Veja
Também