Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Torcida “invade” o Rosenão e Águia vence o Castanhal na estreia do Parazão 2018

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Parecendo jogar em casa, o Águia foi bem recepcionado por torcedores de Marabá e Parauapebas que lotaram as arquibancadas do Estádio Rosenão, no bairro Liberdade

Uma partida importante por tratar-se da rodada de abertura do Campeonato Paraense de Futebol 2018; marcada para acontecer no estádio Zinho de Oliveira, onde o time anfitrião, Águia de Marabá receberia o Castanhal. Com a impossibilidade de sediar a abertura, por estar em sua reta final de recuperação do gramado, o Águia de Marabá escolheu a cidade de Parauapebas para mandar seu jogo de estreia no Parazão.


Um presente para os amantes do futebol em Parauapebas, que puderam acompanhar de perto a partida ocorrida na tarde deste domingo (14), quando houve um resultado favorável para o Águia de Marabá, que já abriu o primeiro tempo fazendo o único gol da partida.

A vitória do Azuão veio pelos pés de Guga, que jogando com a camisa 11, abriu o placar aos 15 minutos e 33 segundos do primeiro tempo, em uma bela jogada.

O Castanhal se esforçou para se recuperar, porém, a partida manteve um bom nível, sendo mais defensiva; e apesar de não ter muitas faltas, Ramon, camisa 7 do Castanhal, sofreu como penalidade um cartão amarelo, já nos acréscimos, encerrando assim aos 48 minutos o primeiro tempo.

O segundo tempo iniciou as 17h09, com o Castanhal fazendo sua primeira substituição, saindo Ramon, camisa 7, e entrando Fabinho, camisa 20. Tudo continuou tranquilo sem surpresas no jogo, porém, aos 12 minutos, Souza, do Águia, deu um chutaço para o gol que foi bem defendido por Roger, goleiro do Castanhal.

Aos 15 minutos do segundo tempo, o Águia de Marabá faz sua primeira substituição, saindo Joãozinho, camisa 9, para entrar Léo Pará, jogando com a camisa 18.
Em seguida, foi a vez do Castanhal fazer mais uma substituição, entrando Bartola com a camisa 17 no lugar de Flamel, que jogava com a camisa 10.

Aos 25 minutos, Junior Rato, camisa 11 do Castanhal, quase marca, dando um chute certeiro no gol do Águia de Marabá, mas o goleiro Guibson estava atento e defendeu com destreza. Logo em seguida, o Castanhal tirou do banco de reservas o jogador Erê, camisa 19, que entrou em campo no lugar de Val Barreto, que jogava com a camisa 9.

O Águia seguia firme, jogando na defensiva para manter seu placar; e após a parada técnica ocorrida aos 27 minutos do segundo tempo, fez mais uma alteração no time, entrando Weslei, para jogar com a camisa 16, saindo Erick que jogava com a camisa 8.
Mesmo assim, com quatro minutos de acréscimo, o placar terminou em 1 para o Águia de Marabá e 0 para o Castanhal.

Mesmo jogando com dois desfalques, (o zagueiro Marquinhos e o meia Felipinho, que foram expulsos na Segundinha do Parazão do ano passado, atuando por Izabelense e Gavião Kyikatejê, respectivamente), o técnico João Galvão diz ter sentido confiança desde que o time entrou em campo. “Os atletas assimilaram tudo o que a gente treinou; e aqui nos sentimos em casa em Parauapebas, tanto pelo apoio da torcida local, quanto pela qualidade do gramado”, afirma Galvão, comemorando os três pontos conquistados nesta partida, o que ele qualifica como “começar com o pé direito em 2018”.

O técnico Lecheva, do Castanhal, admite ter sido um jogo típico de estreia, com muitos erros. “Estamos com muitos atletas em nível abaixo do que esperava e enfrentamos um adversário que, como já sabíamos, brigaria por uma única bola e tão logo a encontrou no primeiro tempo, trabalhou para mantê-la. Já nossa equipe não conseguiu furar o bloqueio defensivo do Águia e assim não mudamos o placar”, reconhece Lecheva, dizendo que há muito o que melhorar, e mesmo sendo uma estreia, sua equipe foi muito abaixo do esperado por ele.

Com a palavra, também o artilheiro da partida, Guga, que marcou pelo Águia: “Foi um grande jogo, um jogo difícil. Vamos procurar pressionar muito neste campeonato”. O atleta reconhece que foi um jogo onde se aplicou mais a tática defensiva.

 

Reportagem: Francesco Costa / Da Redação do Portal Pebinha de Açúcar

Publicidade

Veja
Também