Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Torneiras da SECULT se fecham e pasta deverá passar por reorganização com diagnóstico de situação financeira

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Longe dos milhões costumeiramente gastos nas festas públicas realizadas pela Prefeitura Municipal de Parauapebas, através da Secretaria Municipal de Cultura (Secult), a ordem agora é cortar gastos.

A primeira festa em que a população sentirá a mudança será no Réveillon, a tradicional festa da virada, quando se costumava ter atrações nacionais e gastos de muito dinheiro público. A previsão era de ter como atração principal a Banda Caviar com Rapadura, porém, o secretário municipal interino de Cultura, José Alves, anunciou que serão contratados apenas artistas locais.


“Cadastramos todos os artistas locais para que tenhamos como identificar qual o tipo de evento que cada um se encaixa”, explicou José Alves, revelando que para a festa da virada já foram contratadas Cléo Andrade e a Banda Samuray.

A decisão abre oportunidades para que produtores façam um evento de réveillon em área particular, assim, quem preferir não ficar no evento público, poderá comprar seu ingresso e prestigiar um show nacional, por exemplo.

Mas, não será fácil lidar com os impactos da mudança, pois, muitas pessoas, ao saber da “novidade” estão se manifestando contrárias à decisão. “Isso é um atendimento do pedido de parte da população que manda ter responsabilidade com os recursos públicos e que mandam recados bem ásperos em redes sociais; mas, ao mesmo tempo, sabemos que há outra considerável parte que prefere que façamos como de costume”, endossou Darci Lermen, prefeito de Parauapebas.

Com a mudança, serão gastos com as contrações dos artistas locais apenas R$ 17.500 (dezessete mil e quinhentos reais), cerca de dez vezes menos do que o prefeito do município vizinho (Curionópolis) prevê gastar entre astistas regionais, locais e estrutura de som e palco.

Enquanto isso, as torneiras da Secult deverão continuar fechadas, já que, dentro do planejamento para 2019, está previsto que a citada pasta deverá passar por reorganização com diagnóstico da situação financeira. “O objetivo é reprogramar os investimentos e que eles sejam feitos de forma melhor aplicada e que atendam de fato os interesses culturais”, planeja Darci, contando que a própria ‘cultura’ também terá seu diagnóstico levantado através do Conselho Municipal de Cultura; o calendário de ventos 2019/2020 também será organizado, incluindo e articulando todos os eventos previstos das demais secretarias; minuta de edital de licitação que atenda a execução de todos os serviços para todos os eventos, será elaborada, bem como minuta de propostas para captação de recursos federais destinados à cultura; elaboração de minuta de convênio com a ATP – Associação de Teatro de Parauapebas, e com a Associação Mulheres de Barro, respectivamente; elaboração de proposta de fortalecimento e descentralização da Escola de Música; além de fortalecimento de atores culturais.

Publicidade

Veja
Também