Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Três parauapebenses estão na fase final do Projeto Arte em Cores

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Cinco artistas paraenses estão entre os finalistas do projeto Arte em Cores

Muitas linguagens, estilos diversos e diferentes olhares sobre a cultura e a realidade ao redor. A edição 2020 do Projeto Arte em Cores chega à última etapa e anuncia os dez artistas selecionados que irão realizar obra em painel coletivo nas cidades de Açailândia, no Maranhão e Marabá, no Pará. Além do reconhecimento e visibilidade da obra, cada um dos selecionados irá receber o prêmio de R$2.500 reais. O projeto é viabilizado pela Lei Federal de Incentivo à Cultura, com patrocínio da Vale, realizado pelo Ministério do Turismo, por meio da Secretaria Especial de Cultura e Vivas, e apoio do Centro Cultural Tatajuba.

O Arte em Cores tem como objetivo qualificar os artistas locais e levar mais cor a quinze municípios do Pará e do Maranhão. O projeto promove oficinas, vivências, troca de experiências entre os participantes e compartilhamento dos resultados com toda a população, por meio de dois painéis coletivos que serão instalados em locais públicos de grande circulação.


Realizar o Projeto Arte em Cores neste ano de 2020 teve um sabor ainda mais especial de desafio e superou todas as expectativas. Devido à pandemia da Covid-19, os encontros foram adaptados para o formato virtual, sem perder a essência da proposta inicial e o engajamento dos participantes. A chamada pública, amplamente divulgada, atraiu mais de 130 inscritos. Desses, 50 artistas foram selecionados para participação nas oficinas, receberam a premiação de mil reais e o mesmo kit que serviu de ponto de partida para a criação da obra. Apenas dois artistas do Pará, por motivos diversos, não puderam participar até o final desta etapa.

Para a gerente do Instituto Cultural Vale, Christiana Saldanha, o resultado dos 50 artistas foi surpreendente. “Agora nós vamos para a fase final do projeto, com uma ação para a comunidade. Nós acreditamos que investir em projetos que contribuam para a sustentabilidade da cultura popular é fundamental, principalmente neste momento tão desafiador para a classe artística. Acreditamos, também, no poder transformador da Cultura e por isso a Vale investe há mais de 20 anos no patrimônio cultural brasileiro”, ressalta.

A rua que inspira – A arte urbana do grafitti, colagem, stencil, muralismo e outras referências da arte de rua foi o que norteou as oficinas e instigou os participantes a criarem. Segundo o curador, Gilberto Scarpa, não foi fácil selecionar apenas dez obras, mas elas representam um recorte significativo do grupo de artistas e desse momento. “Diante de tanta qualidade, os jurados tiveram que deixar o gosto pessoal de lado e fazer escolhas técnicas, pensando na continuidade da obra coletiva”, afirmou Scarpa.

Quando se aposta na arte e na diversidade, também não há perdedores ou vencedores. Os trabalhos selecionados, de algum modo, se complementam e já tem data prevista para sua confluência. O público poderá conferir as obras dos artistas selecionados pelo “Arte em Cores”, incluindo as 10 finalistas, em uma galeria on-line que está sendo preparada pela curadoria do projeto. A previsão é que a página esteja disponível para acesso até a primeira quinzena de dezembro.

Devido às restrições da pandemia, a ação de encerramento do projeto em Marabá (PA) e Açailândia (MA) ainda não tem data definida, mas está previsto que os dez artistas selecionados participarão de nova atividade formativa e de uma criação coletiva de arte urbana. Caso algum dos selecionados, por qualquer motivo, esteja impossibilitado de comparecer e participar integralmente da terceira fase, o suplente, na ordem indicada pelos jurados, será convocado e, por consequência, o prêmio será transferido ao suplente participante.

Conheça os 10 selecionados que irão integrar a terceira fase do Projeto Arte em Cores:

PARÁ  (por ordem alfabética)
Eva Wendy Xavier Souza, Parauapebas (obra: Tempos de lembrar/ técnica mista em MDF)
Iramar Gomes Cândido, Parauapebas (obra: Natureza em Cores/ técnica mista em MDF)
Mayara Sanilee de Souza Santos, Marabá (obra: Dona Onete e o jambu/ técnica mista em MDF)
Rodrigo Martins Ferreira, Parauapebas (obra: Pulsatrix de Escher / técnica mista em MDF)
Valdênio Silva Costa, Canaã dos Carajás (obra: Desigualdade/ técnica mista em MDF)

MARANHÃO (por ordem alfabética)
Eder Alves de Sousa, São Pedro da Água Branca (obra: Pai / técnica mista em MDF)
Leane de Sousa da Silva, Açailândia (obra: Sobrevivente / técnica mista em MDF)
Miguel Sousa Neto, Pindaré Mirim (obra: Minha Terra, Minhas Raízes/ técnica mista em MDF)
Reginaldo Ferreira Silva, Alto Alegre do Pindaré (obra: Facínora / técnica mista em MDF)
Sidney Ramalho de Melo, Alto Alegre do Pindaré (obra: Racismo é burrice / técnica mista em MDF)

Publicidade

Veja
Também