Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Vale reúne profissionais de imprensa e apresenta resultados do primeiro trimestre de 2018 em Parauapebas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Foi um encontro onde diretores dos principais veículos de comunicação de Parauapebas, após receber o balanço trimestral (de janeiro a março de 2018), puderam fazer perguntas e tecer comentários em uma rodada de conversas um tanto esclarecedora.

Entre os principais questionamentos estão as demissões de trabalhadores com vários tempos de serviços para o ingresso de jovens na oportunidade conhecida como trainee, percentual de contratados de trabalhadores de Parauapebas, relação com o comércio local, tempo de vida útil da mina de Carajás, criação de novas alternativas econômicas, prejuízo com a paralisação da ferrovia e o erro na previsão feita pela Vale no Diagnóstico Socioeconômico.


Todas as perguntas foram respondidas pelos executivos da mineradora, diretor Antônio Padovezi e pelo gerente-executivo de Sustentabilidade, João Coral, que destacaram o aumento na arrecadação da CFEM no período, que totalizou mais de R$ 30 milhões; os volumes de compras locais e de massa salarial, um montante superior a R$ 100 milhões; e os investimentos socioambientais. Fatores que contribuem para o desenvolvimento do município.

As oportunidades abertas também foram destaque no encontro com a imprensa. Serão mais de 600 vagas ainda esse ano pelos programas Porta de Entrada, iniciativa que irá garantir oportunidade de estágio para estudantes de cursos técnicos, com a oferta de 95 vagas já para os próximos dias. O número faz parte de um total de 720 vagas, que serão ofertadas ainda esse ano, envolvendo também os outros programas: Trainee, Jovem Aprendiz e Estágio de nível superior. No primeiro trimestre foi iniciada turma com 116 jovens aprendizes e na semana passada, foi encerrada a seleção para 50 vagas de trainee, que serão capacitados em operação de mina.

Ainda de acordo com os executivos, atualmente, a empresa emprega 14 mil pessoas em Parauapebas. Em virtude dos empregos, a massa salarial que circula também em Parauapebas chega a mais de R$ 100 milhões por mês. O volume de compras locais, no primeiro trimestre, foi de R$ 331 milhões em produtos e serviços adquiridos de empresas com matriz e filial no município.

As operações da Vale em Parauapebas geraram em CFEM (Compensação Financeira pela Exploração Mineral) no primeiro trimestre de 2018, o total de R$ 132 milhões. O montante equivale a R$ 30 milhões a mais que os três primeiros meses de 2017. A CFEM é distribuída, entre outros, para o Governo Federal, Estadual e Municipal. Deste total, de janeiro a março deste ano, foram recolhidos ao município R$ 79 milhões. Já de Imposto sobre Serviços (ISS) foram recebidos da Vale, R$ 9,7 milhões.

Ao considerar todas as operações da Vale, foi gerado ao Estado, no mesmo período, R$ 395 milhões em tributos e compensação, que incluem CFEM, ICMS e Taxa Estadual de Controle e Fiscalização das Atividades de Exploração de Recursos Minerários (TFRM).

 

No âmbito social, entre outros pontos, foi apresentado o convênio de R$ 10 milhões assinado com a Prefeitura, em março. Deste total, R$ 7 milhões em contrapartida pelas obras do Ramal Ferroviário. Os recursos serão aplicados no Sine, em serviços de assistência social, meio ambiente e na proteção à infância e à juventude. Os demais R$ 3 milhões foram destinados para construção de escola, que atenderá a 1.500 alunos no Bairro Tropical.

Sobre as ações para preservação ambiental, foi destacado o fato da empresa ocupar apenas 1,4% do conjunto de unidades de conservação de Carajás. A empresa investe mais de R$ 20 milhões anualmente para a preservação de 765 mil hectares de Floresta Amazônica, o equivalente a 765 mil campos de futebol, em apoio ao Instituto Chico Mendes de Conservação (ICMBio).

Reportagem: Francesco Costa / Da Redação do Portal Pebinha de Açúcar

Publicidade

Veja
Também