Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Vereador solicita apoio da ANTT para minimizar impactos causados por ferrovia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Na manhã da última segunda-feira (27), cumprindo agenda em Belém, o presidente da Câmara Municipal de Parauapebas, vereador Elias da Construforte (PSB), com o intuito de defender os interesses da população e do município, esteve no escritório local da Agência Nacional de Transporte Terrestre (ANTT) e protocolou o ofício nº 863/2018, solicitando que o governo federal reveja sua decisão e destine investimentos ao desenvolvimento do Estado do Pará, minimizando, assim, os impactos causados pelas ferrovias que cortam a região.

De acordo com o documento, no início de julho deste ano o governo federal anunciou a construção de um trecho de 383 quilômetros de ferrovia entre os municípios de Campinorte, em Goiás, e Água Boa, no Mato Grosso, com o objetivo de atender ao agronegócio, e a empresa Vale S.A foi a escolhida para realizar a obra, que terá investimento em torno de R$ 4 bilhões e, em contrapartida, receberia a renovação automática das concessões da Ferrovia Vitória/Minas, entre Vitória e Belo Horizonte, e da Estrada de Ferro Carajás (EFC), que passa pelos estados do Pará e Maranhão.


Elias deixou claro que não se opõe ao desenvolvimento e integração do país pela malha ferroviária, mas frisou que, com relação à EFC, que basicamente transporta minérios extraídos no território paraense, Parauapebas é uma das cidades mais afetadas, onde os danos ambientais, econômicos e sociais se projetam de maneira acentuada, não sendo justo que os benefícios e contrapartidas da renovação da concessão sejam destinados a outro estado.

“Partindo deste princípio, propomos que no ato de renovação da concessão da EFC seja assegurado que a empresa crie condições favoráveis ao fomento da utilização da ferrovia por outras atividades econômicas, além do minério”, defendeu o parlamentar, solicitando que sejam criados pátios adequados à estocagem e carregamento de itens diversos; que as locomotivas possuam vagões específicos para grãos, carga viva, perecíveis etc.

Segundo Elias da Construforte, o potencial minerário de Parauapebas é enorme, mas finito, e a localização geográfica é desfavorável para a instalação de empresas, especialmente pela dificuldade de escoarem sua produção. Por isso, dispor de um modal eficiente e econômico seria um grande atrativo para a iniciativa privada, gerando novas matrizes econômicas e, consequentemente, reduzindo os altos índices de desemprego na cidade.

“Estamos cobrando que contrapartidas justas sejam destinadas aos maiores impactados pela operação. O asfaltamento da Vila Cruzeiro, em Itupiranga (PA), a Parauapebas e a duplicação das estradas estaduais que ligam nosso município a Marabá também são exemplos”, concluiu o vereador, afirmando que não medirá esforços para defender os interesses do município.

Uma via do mesmo ofício foi protocolada na audiência pública que trata sobre a antecipação da renovação da concessão de uso da Estrada de Ferro Carajás.

Reportagem: Camila Ishibashi

Publicidade

Veja
Também