Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Vereadores de Ourilândia visitam Parauapebas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Acompanhado de outros companheiros de parlamento, o vereador Denis Alves (DEM), presidente da Câmara Municipal de Ourilândia do Norte, esteve hoje na Câmara de Parauapebas e durante a sessão ordinária, ocupou a Tribuna de Honras, prestigiando a sessão.

O motivo da presença dos vereadores não foi apenas uma mera visita, mas sim a terceira vez, só este ano que buscam respostas do executivo para uma área que sempre foi atendida pela Prefeitura de Ourilândia, mesmo fazendo parte do município de Parauapebas. Na área, conhecida como “Santa Rita”, conforme mensurou o vereador, há, pelo menos, 300 quilômetros de estradas vicinais, diversas pontes e bueiros; uma escola e um posto de saúde que atendiam aproximadamente 100 famílias.


A situação da vicinal e seus ramais foi retratada por Denis como intrafegável e tanto o posto de saúde, quanto a escola, estão fechados. “Viemos aqui para chegar a um consenso com o prefeito Darci e assim encontrarmos uma forma de atender aquela população que no período chuvoso sempre padece com o mesmo problema”, contou Denis, dando como proposta que seja criada uma emenda para que Parauapebas repasse o valor estimado para a manutenção das estradas e demais serviços públicos realizados ali.

Outra proposta viável, na ótica do vereador Denis, é que seja incorporada a área ao município de Ourilândia do Norte, possibilitando assim que o mesmo arrecadador seja também o mantenedor; porém a Câmara Municipal precisa votar o desmembramento, já tendo inclusive pronunciado como “inviável”, já que na citada área existe uma mineração em atividade (Onça Puma), o que gera de Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM), cerca de R$ 500 mil por mês.

De acordo com Denis, Ourilândia, ao longo dos 30 anos de emancipação política, sempre deu assistência àquela região, porém, com perda de arrecadação não se sente em condições de fazê-la. “Mais que atendimento em saúde e educação, a população daquela região perde por não escoar a produção, principalmente leite; já que os laticínios não têm como buscar o produto. Isso resulta em grande prejuízo para as pessoas, por isto queremos repará-lo”, conta Denis.

Reportagem: Francesco Costa / Da Redação do Portal Pebinha d eAçúcar

Publicidade

Veja
Também