276 vereadoras são eleitas nos municípios paraenses

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O percentual das mulheres nas câmaras municipais representa apenas 15,9% do total de parlamentares

Em um universo ainda masculino, dado ao fato de que ainda seja necessária força de lei para garantir obrigatoriedade de cotas para garantir que, pelo menos, 30% dos candidatos sejam do sexo feminino, as mulheres têm mostrado força Brasil afora, conquistando lugares na administração pública. Porém, ainda é pequeno, e em alguns lugares decrescente, a presença feminina em cargos públicos eletivos.


Assim, de um total de 1.741 vagas, nos respectivos parlamentos existentes nos 144 municípios paraenses, apenas 276 serão ocupadas por mulheres, escolhidas nas eleições municipais deste ano, 2020. O percentual das mulheres nas câmaras municipais representa apenas 15,9% do total de parlamentares.

Na capital paraense, Belém, apenas 17,14% das 35 cadeiras, serão ocupadas por mulheres, ou seja, apenas 6 mulheres legislarão tendo outros 29 parlamentares do sexo masculino.

Em Ananindeua, no parlamento daquele município, dos 25 vereadores eleitos, apenas 5 são mulheres, um percentual de 20%.
Em Santarém, na Câmara, as vagas foram preenchidas por 19 homens e, apenas, 2 mulheres, um percentual de 9,53% de presença feminina.
Em Marabá, no parlamento daquele município, o eleitorado também não deu preferência para as mulheres, elegendo apenas três. Já os homens ficaram com 18 cadeiras, que é 85,7% no total.

Em Parauapebas, apenas uma mulher conseguiu vaga no parlamento, sendo a segunda mais bem votada dos 15 eleitos. Ficando assim 6,7% de mulheres e 93,3% de homens.

Nos demais municípios a situação não é diferente. Veja por exemplo o caso de Castanhal, onde, dos 39 vereadores eleitos apenas 5 são mulheres, um percentual de 12,89%.
Em Abaetetuba, dos 15 parlamentares, apenas 3 são mulheres; ou seja, 20% das vagas são preenchidas pela figura feminina.
Em Cametá, as mulheres não foram prestigiadas também no poder legislativo, tendo apenas uma eleita que deverá compartilhar o plenário com 14 vereadores.

Em Marituba a única mulher eleita para vereadora é Alexandra Moura (PV) sendo a 8ª colocada entre os 15 vereadores que comporão o parlamento municipal a partir de 1º de janeiro de 2021.
São Félix do Xingu terá seu parlamento, no próximo mandato, composto por 1/3 de mulheres. Tendo como mais bem votada uma mulher além de outras 4; assim terão 10 homens e 5 mulheres compondo a câmara municipal.
Bragança, cidade com 150 mil habitantes, conforme dados do IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, entre os 17 eleitos para compor o parlamento apenas uma é mulher.

Em Barcarena o percentual feminino na composição da Câmara Municipal é de 33,33%, sendo que dos 15 componentes do parlamento seis são mulheres.
Na Câmara Municipal de Altamira terão apenas três, das 15, cadeiras ocupadas por mulheres.
Já na Câmara Tucuruí as mulheres não mandaram muito bem, tendo conquistado apenas duas das 13 cadeiras.
Em Paragominas as mulheres almejaram apenas conquistar vagas no poder legislativo tendo 73 candidatas, porém, conquistaram apenas uma das treze vagas.

A população de Tailândia deu mais votos para uma mulher, eleita vereadora naquele município. Além dela, outras três se elegeram para o mandato parlamentar que se iniciará em 1º de janeiro doe 2021.
No município de Breves dos 17 vereadores eleitos apenas 4 são mulheres.
Em Itaibuba, das 15 vagas disponíveis na Câmara Municipal, apenas 3 foram destinadas às mulheres.
Os eleitores de Redenção elegeram apenas uma mulher para um parlamento composto por 15 cadeiras.
Já em Moju das 15 vagas disponíveis na Câmara Municipal cinco serão ocupadas por mulheres no próximo mandato.
Novo Repartimento, com uma Câmara, composta por trezes parlamentes, haverá apenas uma mulher tendo sido a terceira mais votada em sua legenda (MDB), porém, a última colocada na lista dos eleitos.

Em Oriximiná o membro do parlamento mais bem votada é uma mulher; porém, além dela, apenas mais duas conseguiram uma vaga de vereadora em uma Câmara composta por 15 cadeiras.
Já os eleitores de Santana do Araguaia elegeram 4 mulheres e 11 homens para compor o parlamento municipal.
No parlamento de Santa Izabel do Pará, composto por 15 vereadores, apenas uma mulher foi eleita para o cargo.
Capanema escolheu apenas duas mulheres para ter voz no parlamento as outras 13 vagas serão ocupadas por homens.
Breu Branco tem o parlamento mais feminino do Pará, onde oito, das 13 cadeiras, serão ocupadas por mulheres a partir de 1º de janeiro. Pela ordem, as três primeiras na lista de eleitas são mulheres, seguida da 6ª, 7ª, 8ª, 9ª e 12ª mais bem votadas.

Em Ipixuna do Pará nenhuma mulher obteve votos suficientes para ocupar uma das 13 cadeiras disponíveis no parlamento municipal.
Os eleitores de Tomé-Açu tornaram misto o parlamento elegendo 11 homens e 4 mulheres; estando uma delas como primeira na lista dos eleitos, as outras 9º, 12º e 15º lugar.
Dos 11 parlamentares eleitos em Benevides apenas um é mulher.
Das 15 vagas no parlamento Igarapé-Miri apenas três foram confiadas às mulheres, sendo uma delas a segunda na lista dos eleitos.
A lista de parlamentares eleitos no município de Portel começa com uma mulher, Dra. Daylane Medeiros, única mulher eleita para um parlamento de 15 cadeiras.
Viseu, com apenas 75 mil habitantes, teve apenas uma mulher eleita para assumir uma das 13 cadeiras disponíveis no parlamento daquele Município.

Em Dom Eliseu apenas duas mulheres foram eleitas para vereadoras para compor o parlamento ao lado de 13 homens.
No município de Ulianópolis apenas uma mulher aparece na lista de eleitos para compor o parlamento.
Em Jacundá apenas uma mulher consta na lista de 13 eleitos para legisladores.
Os eleitores de São Miguel do Guamá também não deram preferência para as mulheres ocuparem as 15 cadeiras do parlamento, tendo elegido apenas uma.

No município de Monte Alegre, para o cargo de parlamentar, apenas duas mulheres tiveram êxito na disputa, as outras 13 cadeiras serão ocupadas por homens.
Das 15 cadeiras que compõem o parlamento do município de Juruti, apenas três serão ocupadas por mulheres.
Em Alenquer, nenhuma mulher conseguiu se eleger para vereadora.
Acará abre a lista dos eleitos para o parlamento com o nome de uma mulher, seguida da 9ª e 12ª colocadas.
Em Capitão Poço 4 mulheres são eleitas para o cargo de vereadoras para fazer parte de um parlamento com 15 vagas.

Na Câmara Municipal de Vigia todas as 13 cadeiras serão ocupadas por homem.
Itupiranga tem um parlamento composto por 13 cadeiras, das quais duas serão ocupadas por mulheres, escolhidas nas eleições municipais deste ano.
Na Câmara Municipal de Rondon do Pará, apenas uma mulher foi eleita, porém, aparece como na primeira da lista dos eleitos.
Em Óbidos apenas homens ocuparão as 13 cadeiras daquele parlamento.
O poder legislativo de Rurópolis também será compostos exclusivamente por homens, já que nenhuma mulher se elegeu para vereadora.
Conceição do Araguaia terá apenas uma vereadora que conquistou uma das 13 cadeiras na câmara daquele município.
Também em Pacajá apenas uma mulher recebeu a confiança dos eleitores se elegendo vereadora; as outras 12 cadeiras serão ocupadas por homens.

Em Baião, a primeira na lista dos eleitos para vereador é uma mulher. Além dela outras três se elegeram. As outras nove cadeiras serão ocupadas por homens.
Quem abre a lista dos eleitos para compor o parlamento de Augusto Correia é Salena Oliveira, única mulher que se juntará aos 12 vereadores eleitos.
Em Uruará o parlamento composto por 13 cadeiras terá apenas uma vereadora.
Xinguara terá 3 mulheres compondo o poder legislativo e 10 homens.
Em Porto Moz apenas duas, das treze cadeiras disponíveis no parlamento, serão ocupadas por mulheres.
Em Salinópolis a primeira, a terceira e a quarta da lista dos eleitos para compor o parlamento de treze cadeiras são mulheres.
Goianésia do Pará também terá 3, das treze, cadeiras ocupadas por mulheres no parlamento.
Muaná tem também 3 vereadoras eleitas em uma câmara de 13 vagas.
Em Curuçá tem um parlamento de 13 cadeiras, sendo que três delas serão ocupadas por mulheres.
Das 13 vagas na câmara de Tucumã quatro foram destinadas para mulheres.
Em Afuá duas das onze cadeiras no parlamento foram confiadas à mulheres.
Igarapé-açu confiou as duas últimas de treze cadeiras às mulheres.
O poder legislativo de Canaã dos Carajás terá a presença feminina ocupando apenas uma das treze cadeiras.
Curralinho elegeu 4 mulheres que farão parte de um parlamento de 11 cadeiras.
Almeirim, na disputa para vereador apenas uma mulher conseguiu se eleger para ocupar uma das trezes cadeiras.
Das 13 cadeiras do parlamento de Cachoeira do Piriá 4 foram garantidas por mulheres tendo uma como primeira na lista de votação.
Eldorado do Carajás terá apenas uma das treze cadeiras na Câmara Municipal ocupada por mulher.
Gurupá tem Fabíola abrindo a lista dos eleitos para vereador, além e outras duas eleitas; as outras oito cadeiras foram destinadas a homens.
No legislativo de Concórdia do Pará as mulheres não tiveram tanto êxito, conquistando apenas uma das 11 cadeiras.
Os eleitores de Ourilândia do Norte confiaram apenas em uma mulher para representa-los no parlamento formado por 13 cadeiras.
A primeira na lista dos eleitos para compor o parlamento Irituia é uma mulher, Jejeca; porém, as outras 12 cadeiras serão compostas por homens.

Oeiras do Pará também deu mais votos para uma mulher que comporá o parlamento municipal a partir de 1º de janeiro, juntamente com outras três eleitas. Sendo assim as outras sete cadeiras serão ocupadas por homens.
Em São Domingos do Capim, dos nove vereadores eleitos apenas uma é mulher, tendo sido, inclusive a mais bem votada.
Os eleitores de Medicilândia reservou as últimas três, das 11, cadeiras para mulheres, na Câmara Municipal.
Em Santo Antonio do Tauá, duas, das 11, cadeiras disponíveis no parlamento serão ocupadas por mulheres.
Em Aurora do Pará nenhuma mulher foi eleita para o cargo de vereadora.
No parlamento, Mocajuba terá apenas uma mulher.
Duas mulheres abrem a lista de vereadoras eleitas em Ponta de Pedras, seguidas da quarta e sexta colocadas, em um parlamento composto por 11 cadeiras.
Placas terá em seu parlamento, três, das treze, cadeiras ocupadas por mulheres.
No parlamento de Tracuateua apenas uma cadeira, das onze, foi reservada à mulher.
Apenas uma mulher obteve votos para se eleger a vereadora no município de Bagre.
Em Mãe do Rio apenas 3 mulheres comporão o parlamento que, naquele município, é composto de 11 cadeiras,
Em Prainha apenas uma mulher se elegeu ao cargo de vereadora. As outras 10 cadeiras serão ocupadas por homens.
No município de Maracanã nenhuma mulher se elegeu para vereadora.
No município de Anajás, 2 mulheres estarão compondo o parlamento com 9 homens.
Em Bujaru apenas duas vereadoras foram eleitas para fazer parte de um parlamento de 11 cadeiras.
Limoeiro do Ajuru terá apenas uma vereadora no próximo pleito.
No parlamento de Marapanim apenas as duas primeiras da lista de eleitos a vereador são mulheres.
Três vereadoras estarão no parlamento de Anapu, para compor um parlamento de 11 cadeiras.
Em Melgaço as mulheres não tiveram vez no parlamento.
Das 11 cadeiras que compõem o parlamento de Água Azul do Norte apenas duas foram destinadas às mulheres.
São Sebastiao da Boa Vista terá um parlamento 100% masculino no próximo pleito.
Onde também terá uma Câmara totalmente masculina é Garrafão do Norte.
Apenas 2 dos 11 componentes da Câmara Municipal de Novo progresso são mulheres.
No parlamento de São Domingos do Araguaia, composto por 11 cadeiras, terão três vereadoras.
Em Soure, apenas duas cadeiras serão ocupadas por mulheres e nove por homens.
Apenas duas candidatas foram eleitas em Santa Maria do Pará.

Em São Geraldo do Araguaia apenas uma candidata foi eleita para vereadora.
Na câmara de Cachoeira do Arari, composta de 11 cadeiras, as mulheres são maioria tendo sido eleitas sete para o próximo pleito.
Em Salva Terra, também terá apenas duas, das 11, cadeiras do parlamento ocupadas por mulheres.
Em Chaves, na Câmara, composta por 11 cadeiras, duas foram conquistadas por mulheres.
São João de Pirabas terá uma câmara composta apenas por homens.
Em Santa Maria das Barreiras três das 11 cadeiras na câmara municipal serão ocupadas por mulheres.
Nova Esperança do Piriá terá, no próximo pleito, no parlamento, apenas uma vereadora.
Os eleitores de Santa Bárbara do Pará também não deu espaço para as mulheres no parlamento.
Em Floresta do Araguaia apenas duas vereadoras legislarão no próximo pleito.
Apenas Nalvinha da Saúde se elegeu para vereadora em Santa Luzia do Pará, onde o parlamento é composto de 11 cadeiras.
Dos 11 vereadores eleitos em Trairão duas são mulheres.
Terra Santa também terá apenas duas vereadoras e nove vereadores.
O parlamento de Rio Maria, nos próximos quatro anos, será composto de duas mulheres e nove homens.
São Caetano de Odivelas também terá apenas duas vereadoras e nove vereadores no próximo pleito.
Curionópolis terá em sua câmara municipal apenas duas mulheres, sendo Adriana Gomes, a primeira da lista dos eleitos.
Em Ourém nenhuma candidata conquistou vaga no legislativo.
Belterra elegeu apenas uma vereadora.

Outra cidade que as mulheres não conseguiram vaga no poder legislativo é Bom Jesus do Tocantins
O parlamento de Nova Ipixuna também destinou as nove cadeiras a homens.
Em Aveiro os eleitores elegeram oito homens e apenas uma mulher para legislar.
No município de Bonito apenas duas se elegeram a vereadora.
Em Mojuí dos Campos a primeira na lista de eleitos para vereador é Núbia Angelino, única mulher eleita para compor o parlamento composto por 11 vagas.
Em São Francisco do Pará apenas uma mulher se elegeu para compor um parlamento de 9 cadeiras.
O parlamento de Nova Timboteua terá composição 100% masculina com nove cadeiras.
Em Vitória do Xingu apenas duas, das nove, cadeiras do parlamento serão ocupadas por mulheres.
Brasil Novo terá em seu parlamento, composto de 11 cadeiras, apenas duas mulheres.
Em Curuá das nove cadeiras do parlamento nenhuma foi preenchida por mulher.
No município de São João do Araguaia a Câmara Municipal terá apenas uma vereadora.
Quatipuru terá duas, das nove, cadeiras no parlamento reservada às mulheres.
Apenas uma vereadora foi eleita em Cumaru do Norte e comporá o parlamento de nove cadeiras.
No parlamento de Piçarra haverá apenas uma mulher.
No município de Colares o parlamento, composto de nove cadeiras, terão apenas duas mulheres.
Terra Alta terá um parlamento formado por nove vereadores.
Em Inhangabi, apenas uma, das nove, cadeiras do parlamento foi conquistada por mulher.

Em Senador José Porfírio duas candidatas foram eleitas para compor o parlamento de nove cadeiras.
No parlamento de Primavera, um terço das nove cadeiras serão ocupadas por mulheres.
Em Santa Cruz do Arari cinco das nove cadeiras serão ocupadas por mulheres a partir de janeiro.
Apenas uma mulher conseguiu se eleger para vereadora em Magalhães Barata. Jacareacanga também fez seu parlamento apenas de homens.
No município de Peixe-boi apenas duas mulheres se elegeram a vereadora.
Em Palestina do Pará duas, das nove, cadeiras foram conquistada por mulheres.
Dos nove vereadores eleitos em Abel Figueiredo apenas duas são mulheres.
Em Brejo Grande do Araguaia nenhuma mulher foi eleita vereadora.
Os eleitores de Faro elegeram apenas duas vereadoras para uma Câmara com nove cadeiras.
Em Santarém Novo apenas uma mulher se elegeu ao cargo de vereadora.
Apenas a primeira da lista de eleitos para o parlamento em São João da Ponta é mulher.
Em Sapucaia, apenas duas, das 9, cadeiras do parlamento foram destinadas a mulheres.
Os eleitores de Pau D’arco elegeram apenas uma mulher para vereadora, assim as outras oito cadeiras são destinadas a homens.

Já em Banach apenas duas mulheres foram eleitas para vereadora.

Publicidade

veja também