Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Após reunião com vereadores, motoristas de aplicativos encerram ato de protesto

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A interdição de parte da Avenida F, no Bairro Beira Rio, em Parauapebas, se encerrou por volta de 12h30 desta terça-feira (29), logo após a comissão formada por manifestantes ter sido recebida na sala da presidência da Câmara Municipal onde conversou com alguns vereadores a respeito da situação de conflito ente os taxistas convencionais e os motoristas aplicativos.

A reunião que deveria ser apenas com a parte que se diz perseguida terminou por encerrada antes de se chegar a uma compreensão, já que motoristas de táxis convencionais entraram na sala dizendo ter entendido que a conversa seria entre as duas partes. Assim, com quase o perder da ‘amistosidade’, o vereador Horácio Martins, presidente interino daquela Casa de Leis, deu por encerrada a reunião.


 

Atritos entre as partes

De acordo com os operadores do sistema convencional de táxi, a acusação não está sendo feito de forma justa, já que a agressão noticiada AQUI não pode ser atribuída a toda categoria, pois, foi praticada por apenas dois “supostos motoristas” de táxi.

Já a categoria que explora o transporte através de aplicativos, como Uber e 99, por exemplo, diz que é difícil trabalhar em Parauapebas e que essa agressão consumada é o resultado das muitas ameaças que motoristas sofrem no dia a dia por parte de motoristas do sistema convencional de táxi.

A reunião ocorreu após vários motoristas de aplicativos fazerem movimento pacífico de protesto em frente ao prédio da Câmara Municipal de Parauapebas na manhã de hoje, momento em que acontecia a sessão ordinária.

De acordo com os manifestantes, não estão fazendo nada mais do que reivindicar seus direitos constitucionais. Quanto a tirar o direito de ir e vir naquele trecho da Avenida F, os manifestantes justificaram ser aquele o único jeito de chamar a atenção e serem ouvidos pelas autoridades.

Publicidade

Veja
Também