Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Amazônia: Vale adquire sementes de cooperativista de Carajás e recupera áreas

Sementes. Elas fazem a floresta renascer e a coleta de sementes na Floresta Nacional de Carajás está gerando renda para cerca de 45 famílias, além de contribuir para a conservação da biodiversidade na Amazônia com ações de recuperação de áreas realizadas pela Vale. Somente em 2021, foram 5.791 quilos de sementes nativas de 159 espécies distintas coletadas pela Cooperativa de Extrativistas de Carajás (Coex). O trabalho dedicado de identificar e coletar as sementes rendeu para a associação mais de R$ 1 milhão no ano passado.

A presidente da Coex, Ana Paula Nascimento, fala sobre o convênio firmado com a Vale. “O convênio para coleta de sementes veio trazer essa diversificação e autonomia financeira para a cooperativa. É uma atividade muito promissora e que vem fomentar a renda dos cooperados, sem falar na questão ambiental em estar contribuindo para o reflorestamento e manter a floresta em pé”, destaca.

O gerente de Meio Ambiente da Vale no Pará, Paulo Rogério Oliveira, explica a importância do trabalho. “Ao longo dos últimos anos, temos apoiado a Cooperativa, que tem avançado na quantidade de coleta. E todas essas sementes coletadas são empregadas em ações de recuperação de áreas mineradas ou antes degradadas e que foram adquiridas pela Vale para compensação ambiental por suas operações ou projetos. Um trabalho importante que resulta no retorno da biodiversidade e na conservação da Amazônia e em benefício para todos”, diz Paulo.

O convênio entre a Vale e a Coex foi iniciado em 2017. No primeiro ano, foram coletados 900 quilos de sementes. De lá até 2021, mais de 17 mil quilos de sementes com mais de 200 espécies diferentes foram coletadas.

Essas e outras informações nas áreas ambiental, social e econômica sobre a atuação da Vale no Pará podem ser acessadas no Balanço Vale+ 2021 disponível em vale.com/pa.

Qual sua reação para esta matéria?
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
Leia também no Portal Pebinha de Açúcar:

Deixe seu comentário