Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Atenção consumidor! Preço do arroz deve subir ainda mais

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Quem nunca ouviu a pergunta: “O que tem de mistura?”.
Pois, é. Isso significa que o arroz é a base da alimentação dos brasileiros e os demais alimentos se juntam apenas como complemento, fazendo dele o item principal da refeição.

E a expressão: “Só tem arroz com feijão”, sinalizava serem alimentos simples, acessíveis e baratos.
Mas, este alimento que um dia foi considerado comida simples, tem surpreendido a muitos quando vão ao supermercado para fazer a compra do mês.


De acordo com as previsões trazidas pelos acontecimentos ocorridos nas lavouras nas regiões produtoras de arroz, este susto pode ser ainda maior, já que o “arroz nosso de cada dia” deverá ficar ainda mais caro. “Este ano a produção do arroz caiu no Rio Grande do Sul e na região sul de Santa Catarina, onde, no período da planta, nos meses de novembro, dezembro e janeiro, por causa das chuvas, foi perdida a planta, tendo que ser replantado. Neste replantio atrasou a safra além de ter produzido bem menos”, explicou João trindade, empresário varejista no ramo de alimentos e variedades.

De acordo com João Trindade, no ano passado, dispondo de boa produção e estoque regulador, o Brasil vendeu muito arroz para a África e Venezuela, desfalcando o estoque fazendo com que em plena safra o grão fique mais caro.

“A gente aposta sempre que no período de safra o arroz baixe o preço em pelo menos 15%, porém, fomos surpreendidos com o inverso e já estamos pagando 5% mais caro”, mensura João Trindade, lembrando que neste mesmo período do ano passado uma saca de arroz que deveria ser vendida a R$ 48,00 foi comercializada a R$ 32,00 deixando o arroz muito barato. “Para os produtores este reajuste é considerado “preço equilibrado”, mas, se tivesse dado uma safra boa o preço teria despencado, o que seria ótimo para o consumidor e péssimo para o produtor. Quem também permaneceu em alta foi a soja, devido à dificuldade na negociação entre Estados Unidos e China, deixou nosso produto em evidência e fizemos bons negócios com a China. Assim, pela garantia de mercado, muitos produtores optaram em plantar soja, deixando menos terra para plantar milho, feijão e arroz, motivo que podem também justificar a alta nestes produtos”. A solução apontada pelo empresário é dar preferência em consumir alimentos menos caro como, por exemplo, derivados de milho.

Publicidade

Veja
Também