Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Barcarena e Marabá apresentam crescimento de exportações no semestre

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Enquanto Parauapebas vai dando adeus ao pódio das exportações no país (ficou em 1º lugar durante dois anos consecutivos e agora é 5º), Barcarena e Marabá avançam. O primeiro município tem como motor propulsor um pacote composto por porto, alumínio, caulim e soja. O segundo tem no cardápio cobre de alto teor, manganês, aço e carnes.

Barcarena – que exportou 1,19 bilhão de dólares este ano ante 1,07 bilhão no mesmo período de 2014 – cresceu nas exportações paraenses e já ocupa a 13ª colocação nacional, oito posições abaixo de Parauapebas. Mas é Marabá o município que mais se destaca, tanto estadual quanto nacionalmente, em meio a um emaranhado de gigantes.


Marabá viu suas exportações saltarem de 404,5 milhões de dólares nos seis primeiros meses de 2014 para 554,1 milhões no mesmo período deste ano. A continuar como tal, findará o ano com a cifra inédita de, pelo menos, 1 bilhão de dólares exportados. Canaã dos Carajás e Belém já até foram deixados para trás, e Marabá ocupa a 39ª posição, encostado na capital maranhense, São Luís, que tem na atividade portuária seu principal trunfo. Até a gigante Belo Horizonte, capital mineira de 2,5 milhões de habitantes (quase dez vezes mais gente que Marabá), ficou atrás (43º lugar) na fila.

Porém, como nem tudo é um mar de rosas, pode ser que as exportações de Marabá também caiam a partir do segundo semestre porque a principal de suas commodities, o cobre, também passa por momento delicado no mercado internacional. Isso porque, com o enfraquecimento da demanda da China, as altas taxas de juros nos Estados Unidos e a possibilidade de saída da Grécia da Zona do Euro, o preço do produto despencou – e pode cair muito mais.
De modo geral, nenhum município paraense que vende para fora está imune de ver naufragar suas exportações nas águas turbulentas da crise por que passa o mercado econômico brasileiro. E salve-se quem puder.

Reportagem especial: André Santos – Colaborador do Portal Pebinha de Açúcar
Foto: Arquivo

Publicidade

Veja
Também