Publicidade

Bebê abandonado em lixeira não corre perigo de morte e tem alta do hospital

Passa bem a recém-nascida que foi abandonada ontem, quarta-feira, 18, com apenas dois dias de vida, dentro de um cesto de lixo na Rua Claudio Coutinho, Bairro Guanabara, em Parauapebas, conforme divulgado AQUI. A criança foi atendida no Hospital Geral de Parauapebas (HGP) e internada na Unidade de Cuidados Intensivos (UCI), onde foi assistida pela equipe multidisciplinar da unidade hospitalar.

Na manhã de hoje, quinta-feira, segundo a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), recebeu alta e foi entregue ao Conselho Tutelar para ser encaminhada ao abrigo de menores. A criança foi encontrada dentro na lixeira pela dona de casa Maria Jovina Bezerra, que escutou o choro de criança e foi ver onde era. Jovina relata que ficou tão triste de ver um bebê, recém-nascido, abandonado em uma lixeira que sua única reação foi chorar.


“Eu peguei ela no colo, na tentativa de aquecê-la e também para tentar fazer ela parar de chorar. Na hora, eu não vi ninguém na rua. Só depois de alguns minutos foi que passou uma mulher de moto e eu pedi ajuda, dizendo que tinha achado o bebê na lixeira”, detalha Maria Jovina.

Segundo ela, foi essa mulher quem deu o alarde do achado para a vizinhança e também acionou a polícia. “Depois chegou a polícia e na sequência o Conselho Tutelar, que levou a bebê. Foi uma cena muito triste ver aquele bebezinho dentro de uma lixeira, chorando de fome e frio”, relatou Jovina, que diz nunca ter presenciado um fato desses, que ela considera um dos mais triste de sua vida.

Mãe diz que abandou bebê, mas ficou observando de longe

A mãe do bebê, uma jovem de 25 anos, foi ouvida ainda ontem pela delegada Ana Carolina, titular da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam). De acordo com a delegada, a mulher aparentava estar confusa e depressiva.

“Eu não sou médica, mas esse é um estado aparentemente normal em algumas mulheres, após o parto. Ela afirmou que decidiu abandonar o bebê porque não tem condições de criar e achava que qualquer pessoa que pegasse a criança poderia dar a ela uma vida melhor”, detalha a delegada.

Ainda de acordo com Ana Carolina, a mulher disse que escolheu um lugar razoavelmente seguro, alto e com sombra para deixar a criança. “Ela disse que escolheu a lixeira, que estava sem dejetos, por ser alto e evitar que algum bicho pegasse a criança. Ela também contou que ficou escondida, na esquina da rua, observando para ver se alguém pegava o bebê. Na hora que a mulher viu a menina e a tirou da lixeira, ela foi embora”, ressalta.

A delegada acrescenta que a mulher disse que não quer o bebê, por não ter condições de criar, e que ia tentar contatar sua família, para ver se alguém quer ficar com ele. Ela também justificou que abandou o bebê porque não sabia que poderia legalmente entregar a criança para adoção.

Segundo Ana Carolina, a mãe vai foi encaminhada para a Rede de Acolhimento, onde vai receber atendimento psicológico. Foi instaurado um inquérito policial e a delegada adianta que irá aguardar os laudos médicos, da equipe que a atendeu, para serem anexados à peça investigativa que, depois de concluída, será encaminhada à Justiça. “É o Ministério Público, com base nas informações do inquérito, que vai decidir se representa ou não contra ela”, observa Ana Carolina.

A delegada ressalta que o parto da mulher foi cesáreo e que ela está bastante debilitada. “Ela vai precisar de atendimento porque ainda está em recuperação do parto”, frisa.

Compartilhe essa notícia

Tags

Veja também

All articles loaded
No more articles to load
Pebinha de Açúcar Comunicação e Marketing
LTDA-ME – CNPJ: 05.200.883.0001-05
Parauapebas – Pará – Brasil
(94) 99121-9293 (whatsapp) | (94) 98134-2558

Acompanhe o Pebinha nas redes sociais

Copyright © Pebinha de Açúcar – 2018. Todos os Direitos Reservados.

Fechar Menu