Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Cadastro Ambiental Rural será exigido para emissão do Guia de Trânsito Animal

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A medida é uma forma de garantir segurança jurídica ao produtor rural que está no processo de regularização ambiental, assegurando que seus animais têm procedência legal e sustentável, evitando embargos, restrições comerciais e garantindo a conquista de novos mercados.

Os sistemas da Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Pará (Adepará), responsável pela emissão do Guia de Trânsito, e Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), responsável pelo CAR, estarão interligados, sendo que a emissão do GTA só será possível mediante a regularidade do CAR. Caso a propriedade não esteja cadastrada ou o CAR não esteja válido, o responsável terá que procurar a Semas, para regularizar sua situação e ficar apto para o transporte de animais e dos produtos de origem animal.


A vinculação do CAR ao GTA veio em forma de decreto, que dá continuidade à política de Estado, que considera a proteção do meio ambiente como princípio que deve nortear todas as relações sociais, inclusive as econômicas, em especial as voltadas à exploração de recursos naturais, com o poder público tendo o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações através do controle da produção e comercialização de produtos que impactem sobre o meio ambiente.

O secretário Extraordinário do Programa Municípios Verdes (PMV), Justiniano Netto, diz que é importante tranquilizar os pequenos produtores, que representam mais de 70% dos cadastros da Adepará, que a sincronização do CAR ao GTA é um processo gradativo e que alcança, neste primeiro momento, apenas os produtores com rebanho acima de mil animais. “Não haverá nenhum tipo de repasse de informações do cadastro da Adepará à Semas ou ao CAR, mantendo o sigilo dos dados do rebanho”, completa Justiniano.

Para o diretor geral da Adepará, Luciano Guedes, o decreto que vincula o CAR ao GTA tem como principal objetivo atender as exigências de certificação dos mercados e visa a conquista e a manutenção deles. “Garantimos produtos certificados e de qualidade aos mercados compradores, que estão cada vez mais exigentes. A preocupação ambiental é uma questão mundial que o Estado do Pará também está cumprindo”, explica.

Combate ao desmatamento – Gerente de Planejamento Ambiental da Semas, Maximira da Silva observa ser fundamental para qualquer projeto de desenvolvimento sustentável o direcionamento de políticas públicas voltadas para o monitoramento e controle dos sistemas de uso da terra e dos recursos naturais. Neste contexto, o Governo do Pará, veio como pioneiro na implementação do CAR como estratégia para conter o desmatamento ilegal na Amazônia.

“A finalidade do CAR é integrar as informações ambientais das propriedades e posses rurais, compondo base de dados para controle, monitoramento, planejamento ambiental e econômico, e combate ao desmatamento”, afirma. “Serve também para auxiliar no planejamento ambiental e econômico dos imóveis rurais. Além da identificação de passivo ambiental, o CAR é um instrumento que dá acesso a políticas públicas como, por exemplo, o crédito rural junto às instituições financeiras”.

De acordo com o gerente de Trânsito Agropecuário da Adepará, Roberto Figueiredo, neste primeiro momento, a Agência está difundindo ao máximo a informação desta nova exigência não só para os produtores rurais, mas também para os servidores da Adepará. “É uma rotina nova e estamos orientando e capacitando os nossos servidores para que estejam preparados para esta nova demanda”, diz.

Histórico – A discussão sobre o assunto foi iniciada em 2011, quando o Governo do Estado, com o objetivo de intensificar a atividade agropecuária nas áreas consolidadas, apoiar a conclusão do CAR/PA e reduzir o desmatamento e a degradação ambiental, instituiu o Programa Municípios Verdes no Pará. No mesmo ano, um Termo de Compromisso foi firmado entre o Estado do Pará, MPF, Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Federação da Agricultura e Pecuária do Pará (Faepa) e a Federação das Associações dos Municípios do Estado do Pará (Famep), para controlar o desmatamento e avançar com o CAR.

Publicidade

Veja
Também