Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Campanha contra leishmaniose testou mais de 270 animais em Canaã dos Carajás

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A campanha da prefeitura de Canaã dos Carajás de combate a leishmaniose canina testou 272 animais em dois dias de atividade, na última semana, segundo balanço da Secretaria Municipal de Saúde. Do total de animais testados, 222 tiveram resultado reagente para a doença, e 50 resultado negativo.

Vale lembrar, no entanto, que se trata de uma testagem de triagem e o teste reagente não significa, necessariamente, que o animal tem a doença, mas sim um grande indicativo. Com esse resultado, deve ser feita uma nova testagem, o chamado teste de Elisa, do Laboratório Central do Pará (Lacen). Se preferir, o dono também pode fazer um teste confirmatório na rede de clínicas particulares.


Com a confirmação da doença por meio do teste de Elisa, o proprietário deve realizar a eutanásia do animal, que será feita na Associação Anjos de Patas, por meio de parceria com a prefeitura do município.

Enquanto aguarda o resultado do teste confirmatório, a Secretaria Municipal de Saúde orienta por proprietários dos animais que tiveram a primeira testagem reagente a tomar algumas medidas para a segurança do animal e da família, como deixar os animais em ambiente limpo e livre de umidade e matéria orgânica, proteger as portas e janelas com telas contra mosquitos e fazer o uso de repelentes.

Prevenção e combate

Pessoas residentes em áreas onde ocorrem casos de leishmaniose, ao sentirem os sintomas da doença devem procurar o serviço de saúde mais próximo a sua casa o quanto antes, pois o diagnóstico e o tratamento precoce evitam o agravamento.

A transmissão acontece quando fêmeas de insetos flebotomíneos (mosquito palha, tatuquiras, biriguis, conhecidos popularmente) infectados picam cães ou outros animais infectados e depois picam o homem, transmitindo o protozoário Leishmania chagasi.

Os insetos desenvolvem-se em locais úmidos, sombreados e ricos em matéria orgânica (folhas, frutos, fezes de animais e outros entulhos), por isso a melhor forma de combate ao mosquito vetor se dá por meio da higiene ambiental, limpeza periódica dos quintais, retirada da matéria orgânica em decomposição e destino adequado do lixo orgânico, a fim de impedir o desenvolvimento das formas imaturas dos flebotomíneos, além de limpeza dos abrigos de animais domésticos.

A leishmaniose Visceral (LV) tem tratamento para os humanos. Ele é gratuito e está disponível na rede de serviços do Sistema Único de Saúde.

No entanto, o tratamento da Leishmaniose Visceral Canina (LVC) traz riscos para a Saúde Pública por contribuir com a disseminação da doença, pois os cães não são curados parasitologicamente, permanecendo como reservatórios do parasita, além do risco de desenvolvimento e disseminação de cepas de parasitos resistentes às poucas medicações disponíveis para o tratamento da leishmaniose visceral humana.

Publicidade

Veja
Também