Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

COCÔNARÉ: Praia do Tucunaré é afogada pela imundície de banhistas sebosos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Marabá, em cuja área urbana residem 200 mil habitantes, pouco difere de Parauapebas. Lá, a falta de consciência ecológica arrasa o principal e mais movimentado balneário da região sudeste, a Praia do Tucunaré. Conhecida por atrair pessoas até de outros estados, a bela praia, que é vizinha dois quilômetros à frente da Orla do Rio Tocantins (e talvez este tenha sido seu pecado original), torna-se palco de um dos maiores receptáculos da imundície humana nos meses de junho, julho e agosto. É o verão dos sebosos.

O homem – que não se contenta em apenas tomar banho – precisa afogar o santuário com latinhas de cerveja, garrafas pet, papéis, plásticos, embalagens diversas, sacos, paus, comida, xixi e cocô. Não por acaso, a praia recebe o ingrato apelido de “Cocônaré”, título simbólico que deveria representar estado de vergonha àqueles banhistas que, ao passo que defecam no santuário, se lavam com a mesma água que acabaram de sujar.


O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) denuncia os ataques ambientais que são verificados em Marabá, especialmente contra a Praia do Tucunaré, no documento “Perspectiva para o Meio Ambiente Urbano – Geo Marabá”. De acordo com o Pnuma, a Praia do Tucunaré é pressionada pelo grande contingente de pessoas que chegam a Marabá, notadamente em julho, para rever amigos e parentes, e vão desfrutar do balneário. Porém, isso custa caro ao santuário, que passa a receber elevado volume de efluentes líquidos e resíduos sólidos, agravando o estado do meio ambiente ao causar impactos nos recursos hídricos e na própria saúde da população, que entra em contato com a água do Rio Tocantins.

ESGOTO ‘A RIO ABERTO’
E a problemática não se resume a isso. Do lado de lá da praia, na parte da Velha Marabá, o pouco esgotamento sanitário que há na cidade jorra livre, leve, solto e louco nas águas do maior rio da região. É despejado sem qualquer pudor, no mais claro e ordinário modelo do “toma, que o filho é teu”.

Em Marabá não existe sistema público de saneamento. Para piorar a situação, a opção histórica de fossas negras, em vez de sépticas, acarreta a criação de focos de transmissão de doenças de veiculação hídrica por insetos. Os efluentes – não tratados, assim como as águas servidas – são lançados nas sarjetas, nas galerias de águas pluviais ou em riachos e rios.

Na sede urbana, a rede de galerias de águas pluviais existe para apenas parcela reduzida da área comercial. Contudo, tem como destino certo (e incorreto) os rios Tocantins e Itacaiúnas, o que inevitavelmente os polui. Segundo o Pnuma, o Rio Itacaiúnas, no perímetro urbano de Marabá, está ainda mais poluído que o Tocantins, uma vez que tem porte menor e recebe a pressão de sujeira dos dois maiores núcleos urbanos, a Nova Marabá e a Cidade Nova.
As águas destes rios, por sua vez, poluem o solo durante as enchentes, bem como a imundície invade as casas de quem as produziu e atinge os poços de captação de água. Em Marabá, no inverno, parte da população recebe em domicílio a visita da seboseira que mal descartou no passado. É a vingança da natureza.

Reportagem: André Santos

Publicidade

Veja
Também