Corpo de Bombeiros do Pará orienta sobre o uso de fogos de artifício

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Este ano, a realização de shows pirotécnicos nas festas de fim de ano não está autorizada. Mas não há impedimento para lançamentos de fogos em ambientes abertos, desde que o uso seja doméstico. O Corpo de Bombeiros Militar do Pará orienta a população a tomar os devidos cuidados para que o momento de celebração não se transforme em tragédia, com acidentes com queimaduras e incêndios.

O melhor mesmo é não utilizar esse tipo de distração, mas se o cidadão insistir, deve atentar para a aquisição dos produtos somente em lojas especializadas e devidamente credenciadas pelos Bombeiros.


“Os fogos de artifício em si são normatizados, eles têm um selo de qualidade do Inmetro. Então, a orientação é só fazer aquisição em lojas especializadas e certificadas, assim como os produtos em si. O armazenamento dos fogos, quando a aquisição é feita previamente, deve ser em local seco, longe de temperaturas altas, como fogão, de umidade e, principalmente, longe do alcance de crianças”, orienta o major Pablo Ricardo.

Outra recomendação é ler as instruções da embalagem dos fogos de artifício. A utilização deles deve ser feita somente por adultos e em ângulo de 90° em relação ao solo. “Importante que a pessoa não tenha consumido bebida alcoólica, que não esteja em estado de alteração da coordenação motora, o que pode causar acidentes – que são muito comuns na verdade, pois o controle da motricidade fica prejudicado. O local de lançamento também é importante: não é recomendado em áreas cobertas ou fechadas, nunca deve ser lançado na direção das pessoas e deve ser solto longe de escolas, clínicas e hospitais (onde há pessoas internadas) e hospitais veterinários”, acrescenta o major.

Para ambientes internos, se for o caso, existem os fogos chamados ‘indoor’, porém a aquisição deve ser bastante criteriosa, pois existem materiais de baixa qualidade, que são rotulados indevidamente. “Não fazer modificações para tentar aumentar a capacidade, como colocar mais pólvora, por exemplo. Sempre mantê-los na forma original de fábrica. E se for feito o lançamento de um fogo de artifício e ele, por acaso, não for acionado ou detonado, não fazer a reutilização, tentar reaproveitar. Quando falha, deve ser recolhido com todo cuidado e colocado em um recipiente com água para aguardar alguns minutos para ser descartado”, explicou o major Pablo Ricardo.

Quando há uma quantidade expressiva de fogos a ser lançado (o que está proibido atualmente, para evitar aglomerações), é necessária a contratação de um profissional, o blaster, cadastrado na Polícia Civil e que está habilitado para executar esse tipo de apresentação. “O projeto do show deve ser submetido, com documentação ao Corpo de Bombeiros, e aprovado para ser executado. No Pará, temos a Instrução Técnica nº 10, que faz a normatização para espetáculo pirotécnico. Para fogos de uso pessoal, caseiro, não temos nenhuma normativa que discipline esse uso, apenas as instruções dos fabricantes e das corporações dos Bombeiros”, finalizou o major.

Publicidade

veja também