Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Criança de um ano é morta a facadas na zona rural de Parauapebas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Um caso bárbaro que ceifou a vida de uma criança de um ano e seis meses, vítima de um homem que a matou a golpes de facas.
O caso se deu na Vila do Projeto de Assentamento Railândia, onde a criança A. A. S., sofreu as agressões por volta das 23h00 de domingo (4).

De acordo com levantamentos preliminares feitos pela Polícia Civil, a vítima foi atingida duas vezes por arma branca (faca), e não resistindo aos ferimentos, evoluiu a óbito no Hospital Municipal de Parauapebas, onde foi socorrida.


Foto em vida da criança que foi morta de forma covarde e cruel

 

Os 60 quilômetros que separam a Vila e a sede do município, Parauapebas, foram esticados com a ânsia de salvar a criança e o pai da mesma, Antonilson Moreira da Silva, também ferido pela mesma arma. Conforme conta o vizinho que prestou socorro, conduzindo-os em seu veículo até o hospital.

As primeiras informações foram colhidas pela polícia que pegou o depoimento do pai da criança e este relatou que o agressor, identificado como Emivaldo Costa, vulgo “Nego”, tentou invadir sua casa, pegando seu filho como refém e anunciou que iria matá-lo, tendo a promessa seguida pelos golpes de faca efetuados nas costas da criança. O pai tentou salvar o filho, mas, também foi ferido com um golpe no peito.

Emivaldo Costa, vulgo “Nego”

 

O agressor, Emivaldo, também deu entrada no Hospital Municipal de Parauapebas, onde recebeu voz de prisão e contou à polícia o motivo de sua “visita” à casa de Antonilson. De acordo com a versão dele, sua ida ao local foi para cobrar uma dívida contraída por Antonilson através de um empréstimo. O agressor se apresentou também com vítima, pois, diz que Antonilson o enfrentou, motivo de ter buscado socorro no hospital municipal.

A situação física de “Nego” foi comprovada tendo sido encontrado em seu corpo um ferimento à faca no ombro e vários caroços de chumbo na região, ocasionados por disparos de arma de fogo tipo cartucheira.

O caso segue (tendo como saldo, a criança morta; o pai, Antonilson Moreira da Silva, ferido e internado no hospital municipal; o agressor, Emivaldo Costa, ferido com arma branca e arma de fogo) sob investigação da Polícia Civil que procura apurar as causas da desinteligência e a culpa de cada um no ocorrido.

Publicidade

Veja
Também