Curtas-metragens produzidos por jovens de comunidades paraenses estreiam na sala virtual do Cine Babaçu

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Curtas-metragens produzidos durante as oficinas do projeto Cultura na Praça estão disponíveis na sala de cinema virtual do Cine Babaçu

Jovens de comunidades dos municípios de Bom Jesus do Tocantins, Curionópolis e Canaã dos Carajás, localizados no sudeste do Pará, apresentam ao público filmes que produziram ao longo dos últimos meses nas oficinas de cinema do Cultura na Praça. O projeto, que ocorre desde 2017, é viabilizado pela Lei Federal de Incentivo à Cultura, com patrocínio do Instituto Cultural Vale, apoio do Centro Cultural Tatajuba e realização da Vivas Cultura e Esporte, Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo – Governo Federal.

Com temas e estilos diversos, os curtas vão desde um documentário que resgata a história de uma comunidade até uma ficção científica futurista. Antes de ficarem disponíveis para todo mundo na sala virtual do Cine Babaçu (www.culturanapraca.art.br), ao lado dos curtas produzidos no Maranhão e que já estrearam, os filmes são exibidos em sessões de formatura, realizadas na comunidades da vila São Raimundo, em Bom Jesus do Tocantins (dia 19), Serra Pelada, em Curionópolis (22) e nesta quarta-feira (24/11), na Vila Nova Jerusalém, em Canaã dos Carajás.


Christiana Saldanha, gerente do Instituto Cultural Vale, destaca o potencial de transformação social junto às comunidades proporcionado por projetos desta natureza. “O projeto Cultura na Praça promove encontros pautados na valorização de diversas culturas, de suas raízes e identidades locais, com a formação de grupos de jovens e construções coletivas de conteúdos audiovisuais. Uma forma de despertar os olhares para o presente e refletir sobre o futuro”, comenta.

Assim como foi na realização das oficinas, todas as sessões contarão com protocolos de prevenção a COVID-19, como distanciamento social e uso obrigatório de máscara.

“A exibição de formatura é o coroamento desse momento lindo que foram as oficinas”, avalia Gilberto Scarpa, coordenador do Cultura na Praça. “Os alunos se esforçaram, mostraram que têm curiosidade, responsabilidade, compromisso e talento de sobra para despontar para o Brasil e para o mundo, se assim desejarem. Estamos muito felizes com os filmes que eles realizaram e tenho certeza que o público vai gostar também.” 

Além da estreia dos curtas, tanto moradores como o público da internet podem conferir o longa-metragem infanto-juvenil “Dentro da Caixinha – Segredo de Criança”, de Guilherme Reis, ainda inédito no circuito comercial. O filme já circulou por festivais nacionais e internacionais, levando o prêmio de Melhor Longa-metragem e Melhor Filme no Festival Cineminha B, na Bahia. 

Filmes partem das histórias das próprias comunidades
Apesar de bastante diferentes entre si, todos os curtas têm como ponto de partida a própria história da comunidade na qual foi produzido. Isso fica claro no documentário “O Mistério da Vila”, que resgata como foi o surgimento de Nova Jerusalém, em Canaã dos Carajás. A aluna Aldenice de Jesus Sousa, apesar de ter apenas 16 anos, fez parte dessa história e lembra que, apesar de faltarem muitas coisas na comunidade, foi uma época muito legal. “Nosso objetivo com o filme é mostrar como o povo se uniu para formar essa Nova Jerusalém que temos hoje”, explica a jovem. “Mais do que isso, queremos mostrar que a gente não conquista nada sozinho, mas com a ajuda de todos. Isso quem me ensinou foi o professor Cris (Azzi, cineasta que ministrou a oficina) e a própria experiência de produzir um filme”, conta a garota. 

Para Isabelly, da Vila São Raimundo, no município de Bom Jesus do Tocantins, toda a experiência foi muito boa e surpreendente. “Nos primeiros dias, eu não estava tão envolvida, passava muito tempo no celular, enquanto os professores tentavam fazer com que eu participasse mais”, assume a aluna, de apenas 13 anos. “Já no final, a oficina estava tão divertida que decidi deixar o celular em casa, prestar atenção e ajudar em tudo para fazermos um bom filme.” Ela avalia que o curta ficou ótimo e acredita que todos os moradores vão gostar muito de ver a própria comunidade na tela grande do cinema.

Em Serra Pelada, comunidade de Curionópolis, a procura pelas oficinas foi tão grande que foram produzidos dois curtas diferentes. Enquanto “Reflexo do Tesouro” mostra um jovem em busca do que há de mais valioso na comunidade, “Além da Sobrevivência” é uma ficção científica futurista que reflete sobre o passado, o presente e o futuro de Serra Pelada. “A ideia veio após longas conversas e reflexões sobre o lugar onde moramos, seu passado e seu presente. E aí veio a ideia de um filme futurista”, conta Vitória Silva, uma das realizadoras. “Imagina eu, que nunca tinha pegado numa câmera, fazendo um filme de ficção científica? Foi uma experiência realmente maravilhosa!”.

 

veja também