Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Educação de jovens e adultos realiza sonhos na rede pública do Pará

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Há 40 anos, Ozanan Magalhães abandonou os estudos no interior do Ceará, onde nasceu, e veio para Belém trabalhar. Hoje, com 65 anos, o sonho do vendedor autônomo não é juntar dinheiro e sim, entrar para uma faculdade de Direito no ano que vem. Para isso, ele vem se dedicando há dois anos e dois meses às aulas no Centro de Estudos Supletivo Professor Luiz Otavio Pereira, no bairro de São Brás. Nessa escola funciona o núcleo de Belém do Centro de Educação de Jovens e Adultos (Ceja), uma das modalidades oferecidas pela Secretaria de Estado de Educação (Seduc) no Pará.

Com ensino personalizado, nos Centros de Educação de Jovens e Adultos, os professores ficam disponíveis em três turnos para atender àqueles que querem concluir seus estudos. As aulas são agendadas de acordo a necessidade do aluno. “A grande vantagem desse tipo de ensino é a flexibilidade do horário, o que eu não consegui encontrar em outras escolas. Aqui eu posso conciliar o meu tempo de trabalho com o horário no qual eu possa estudar”, diz Ozanan, que espera concluir o último módulo, em Física, no início de abril e estar apto a prestar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), no final do ano.


Além de Belém, existem centros especializados em Marabá, Santarém, Abaetetuba e Xinguara e núcleos em Itupiranga, Parauapebas e São Sebastião da Boa Vista.

Ozanan soube da existência do Ceja por meio de um amigo e percebeu a sua grande chance. “Decidi voltar a estudar para estar pronto, como cidadão, para interagir em várias rodas. Você não se torna obsoleto, não fica para trás. Para adquirir conhecimento, não tem idade. Basta a vontade de se instruir”, disse o senhor curioso e falante, fã do filme clássico dos anos 70 “Ao Mestre, com carinho”

Estrelado por Sidney Poitier, o filme inglês mostra as dificuldades sociais e raciais na relação entre professor e aluno. Quando vendia livros didáticos aos professores, o autônomo presenciou várias cenas reais de desrespeito aos mestres e lembrava-se do filme. Hoje, valoriza ainda mais o trabalho dos 116 professores do Ceja no qual estuda, que se dedicam aos alunos com o prazer de educar e formar futuros profissionais. “Os professores aqui não são meros avaliadores, eles têm uma qualificação muito grande e nos estimulam a participar das aulas. Muita gente entra aqui acanhada, por ser mais velho e voltar a estudar, mas os professores cuidam de nos desinibir”, destaca o estudante.

O aluno de Belém que quiser concluir seus estudos através de módulos (disciplinas) ofertados de acordo com a sua disponibilidade, pode procurar, durante o horário comercial, a direção do Centro de Estudos Supletivo Professor Luiz Otavio Pereira, que fica na Rua Deodoro de Mendonça, 53, no bairro de São Brás. As matrículas permanecem abertas durante todo o ano. Em 2017, 2.116 pessoas já se matricularam nessa modalidade de ensino.

Mais de 54 mil jovens e adultos foram matriculados no Pará em 2016

O Ceja é apenas um dos modelos utilizados pela Seduc para a Educação de Jovens e Adultos (EJA). Cada vez mais reconhecida no Brasil como um direito para milhões de pessoas que não tiveram oportunidade de concluir os estudos, a EJA é direito formalizado em lei, como dever de oferta obrigatória pelo Estado brasileiro a partir da Constituição de 1988 e reafirmado pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação- 9.394/96, concebendo a educação como direito de todos.

No Pará, somente no ano de 2016, foram 54.837 jovens e adultos matriculados no ensino Fundamental e Médio, em 243 escolas que oferecem a Educação para Jovens e Adultos. Qualquer pessoa a partir dos 15 anos de idade pode se matricular no ensino Fundamental nessas escolas, basta acessar o www.seduc.pa.gov.br. As matrículas vão até o dia 31 de março. Para o ensino Médio, a idade mínima é 18 anos, sem limite etário.

Outros projetos

Fundamentado na Resolução 48/12 do Ministério da Educação, o projeto “Saberes” assegurou a implementação de novas turmas de EJA, em uma educação comprometida com a compreensão da realidade da comunidade. Em vez de tirar o aluno do campo e levar para a cidade, a Seduc leva a educação para o campo. Por meio de um processo seletivo, professores, tanto da capital como das comunidades rurais, têm oportunidade de lecionar em 50 municípios. O projeto iniciou em 2014 e terminou em 2016, envolvendo 14 mil alunos, em 549 turmas formadas e 522 professores. Essa foi uma das grandes conquistas da EJA.

Já o Movimento de Alfabetização de Jovens e Adultos (Mova) que integra o Programa Brasil Alfabetizado, é uma ação de alfabetização para cidadania, desenvolvida pela Seduc em parceria com o Governo Federal e setores da sociedade civil, em um amplo movimento para a superação do analfabetismo no Pará. A meta firmada é, até dezembro de 2017,  atender a 24.759 jovens, adultos e idosos analfabetos no Estado. Esse índice corresponde a 3% do quantitativo de analfabetos do Pará, que em 2010, segundo fontes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), estava em 613.897 pessoas.

Uma das metas do plano de ação da Educação de Jovens e Adultos, incluindo pessoas com necessidades especiais, remanescentes de quilombos, pescadores e indígenas, pessoas em cárcere e em cumprimento de medidas socioeducativas, é elevar a taxa de alfabetização da população com 15 anos ou mais para 91,9% até o final de 2017 no Pará. Até o final de 2016, o índice alcançado foi de 89,9%.

Para isso, é necessário também diminuir o percentual da evasão escolar no estado, que hoje ultrapassa 30%. “Neste ano nós vamos conversar com professores e alunos sobre as melhores formas para evitar a evasão escolar, discutindo necessidades específicas de mudanças, levando em conta uma melhor organização da oferta, em termos de horários e metodologia”, informa Nulcia Azevedo, coordenadora da Educação de Jovens e Adultos da Seduc.

Com isso, a educação no Estado firma- se como prioridade, independente da idade. Assim como Ozanan, milhares de paraenses jovens e adultos vão assimilar diariamente a lição conhecida, mas tantas vezes esquecida: nunca é tarde para aprender.

Reportagem: Syanne Neno

Publicidade

Veja
Também