Publicidade

Estado firma parcerias para combater a exploração sexual no Pará

Na manhã desta quinta-feira (10), o governador do Pará assinou uma parceria com o Instituto Liberta, Secretaria de Estado de Educação (Seduc) e Tribunal de Justiça do Estado. O trabalho será iniciado em novembro e deve começar pelas escolas estaduais da região metropolitana de Belém. A ideia é sensibilizar profissionais da área de educação, que irão trabalhar como multiplicadores de conscientização no combate à exploração sexual de crianças e adolescentes.

Segundo a diretora do Instituto Liberta, Luciana Temer, as ações já trouxeram resultados positivos de outras parcerias em escolas do estado de São Paulo, e agora, servem de exemplo para o Pará. “Vamos replicar um trabalho que deu certo e ajudar os professores a identificar as situações de exploração sexual, e entender qual o papel do educador nesse momento”, ressaltou.


Cada escola terá pelo menos dois protagonistas que comandarão as ações e os debates sobre a exploração sexual. Inicialmente, rodas de conversa serão realizadas para sensibilizar os professores e a comunidade escolar. A parceria com a Secretaria Estadual de Educação deve começar nas escolas da região metropolitana e, em breve, irá percorrer todo o Estado.

“Nós queremos que, através do movimento Educa Pará, essa iniciativa chegue a todas as escolas. O professor também precisa assumir o protagonismo nesse combate à exploração sexual”, disse a secretária de Educação, Leila Freire.

O Instituto Liberta entende que a escola é um lugar importante para trabalhar o combate à exploração sexual, principalmente, porque as crianças e adolescentes, quando vítimas, acabam levando esse problema para o ambiente escolar. Por isso, o educador pode ajudar a identificar mudanças de comportamento, rendimento do aluno e até sinais de agressões ,compondo uma rede de apoio.

“Através dos professores repercutindo junto aos alunos, com a liderança e a influência dos nossos estudantes, certamente, isso se prolifera nas casas, nas famílias, formando uma rede que possa mobilizar a sociedade contra a exploração infantil e contra a exploração sexual”, disse o governador do Pará, Helder Barbalho.

Programa Papo Liberta

O Instituto possui o programa Papo Liberta, que porporciona encontros com professores, com o objetivo de capacitar estes profissionais a identificarem casos de exploração sexual de crianças e adolescentes, e orientá-los a agir de forma integrada com a rede protetiva no enfrentamento ao problema. O Liberta acredita na conscientização e articulação como estratégias fundamentais para a busca de soluções.

Em São Paulo, após seis meses de realização das rodas de conversa, houve um aumento de 300% do registro de ocorrências escolares de violências sexuais no sistema da Secretaria de Educação.

Compartilhe essa notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Tags

Veja também

Fechar Menu