Confirmados
27.650
Recuperados
18.995
Óbitos
190

 Publicidade

Estrada de Ferro Carajás é liberada e trem de passageiros volta a circular na sexta-feira (28)

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A Vale informa que a Estrada de Ferro Carajás (EFC) foi liberada no fim da tarde de ontem, 25/8, após cumprimento do mandado de reintegração de posse concedido pela Justiça à empresa. A Vale adotará as medidas criminais cabíveis para a responsabilização de todos os invasores. Com a liberação da EFC, as operações de carga e passageiros estão normalizadas. As viagens do Trem de Passageiros serão retomadas nesta sexta-feira, 28/8, saindo de Parauapebas (PA) com destino a São Luís. Os passageiros que já haviam adquirido passagem poderão remarcar suas viagens ou solicitar a devolução do dinheiro nas estações.

A EFC esteve interditada desde o dia 21/8, quando indígenas da etnia Guajajara, da aldeia Maçaranduba, bloquearam a ferrovia entre o Km 280 e o 289, no município de Alto Alegre do Pindaré (MA). Os manifestantes colocaram obstáculos sobre os trilhos e ameaçaram empregados e prestadores de serviços da Vale. A interdição caracteriza perigo de desastre ferroviário, considerado crime pelo Código Penal.


Esta é a sétima vez que a Estrada de Ferro Carajás (EFC) é interditada somente neste mês de agosto. A Vale esclarece que a expansão da Estrada de Ferro Carajás está devidamente licenciada pelo Ibama e autorizada pela Funai. Recentemente, a empresa obteve decisão liminar do Tribunal Regional Federal da 1ª. Região, em Brasília, determinando a continuidade dos trabalhos no local. As obras estão sendo realizadas dentro da faixa de domínio da ferrovia, fora da Terra Indígena Caru, onde fica a aldeia Maçaranduba.

A Vale reafirma seu compromisso em manter diálogo aberto e transparente com as comunidades tradicionais na área de influência de seus empreendimentos. No entanto, a empresa repudia veementemente qualquer ato de violência que desrespeite o Estado Democrático de Direito e aguarda uma posição do Poder Judiciário e das Polícias Federal e Militar para garantir a ordem e a paz social na região, assim como a continuidade do transporte público de passageiros e cargas, serviço considerado essencial.

Foto: Bariloche Silva – Da Redação do Portal Pebinha de Açúcar

Publicidade

Veja
Também